Home | Livros | Companhia das Letras | ÍRISZ: AS ORQUÍDEAS
CLIQUE PARA AMPLIAR
Ler um trecho

ÍRISZ: AS ORQUÍDEAS

Noemi Jaffe

R$ 69,90

/ À vista

Apresentação

Vencedora do prêmio Brasília de Literatura com A verdadeira história do alfabeto, Noemi Jaffe constrói uma trama envolvente que investiga os limites da ideologia e as agruras do amor.

Frequentemente comprados juntos

Companhia das Letras

Írisz: as orquídeas

Noemi Jaffe

R$ 69,90

Companhia das Letras

Não está mais aqui quem falou

Noemi Jaffe

R$ 59,90

Companhia das Letras

Escrita em movimento

Noemi Jaffe

R$ 69,90

Preço total de

R$ 199,70

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Companhia das Letras

Não está mais aqui quem falou

Noemi Jaffe

R$ 59,90

Companhia das Letras

A verdadeira história do alfabeto

Noemi Jaffe

R$ 59,90

Indisponível

Companhia das Letras

O que ela sussurra

Noemi Jaffe

R$ 69,90

Companhia das Letras

A resistência

Julián Fuks

R$ 69,90

Indisponível

Companhia das Letrinhas

Cabumm!

Heinz Janisch Helga Bansch

R$ 54,90

Indisponível

Companhia das Letrinhas

Minhas memórias de Lobato

Luciana Sandroni Monteiro Lobato

R$ 59,90

Indisponível

Companhia das Letras

Escrita em movimento

Noemi Jaffe

R$ 69,90

Indisponível

Companhia das Letras

O amor dos homens avulsos

Victor Heringer

R$ 64,90

Ficha Técnica

Título original: Írisz: as orquídeas Páginas: 224 Formato: 14.00 X 21.00 cm Peso: 0.278 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 19/05/2015
ISBN: 978-85-3592-589-0 Selo: Companhia das Letras Ilustração: Tereza Bettinardi

SOBRE O LIVRO

Vencedora do prêmio Brasília de Literatura com A verdadeira história do alfabeto, Noemi Jaffe constrói uma trama envolvente que investiga os limites da ideologia e as agruras do amor.

Com a entrada da União Soviética na Hungria, em 1956, Írisz foge de Budapeste, deixando para trás a mãe doente e um passado cheio de lacunas. Quando chega a São Paulo para estudar as orquídeas, essa mulher singular e indecifrável logo encanta Martim, diretor do Jardim Botânico. Agora que Írisz desapareceu, ele terá de preencher seu vazio com os relatórios nada ortodoxos deixados por ela, que transitam entre as particularidades da língua húngara, a crise da utopia comunista, memórias pessoais e algumas observações - bastante inusitadas - sobre as orquídeas. Com o trabalho meticuloso da palavra que lhe é característico, Noemi Jaffe oferece uma trama rica e envolvente, que investiga os limites da ideologia e as agruras do amor.

Sobre o autor