Home | Livros | Companhia das Letras | TE VENDO UM CACHORRO
CLIQUE PARA AMPLIAR
Ler um trecho

TE VENDO UM CACHORRO

Juan Pablo Villalobos
Tradução: Sérgio Molina

Apresentação

Encerrando a trilogia sobre o México, Juan Pablo Villalobos cria um ambiente farsesco em torno de velhos aposentados e tece uma crítica mordaz à vida em sociedade.

Você pode gostar também de

Companhia das Letras

Ninguém precisa acreditar em mim

Juan Pablo Villalobos

R$ 67,90

Companhia das Letras

Se vivêssemos em um lugar normal

Juan Pablo Villalobos

R$ 54,90

Indisponível

Companhia das Letras

Como ser as duas coisas

Ali Smith

R$ 77,90

Companhia das Letras

The 42nd st. Band

Renato Russo

R$ 47,90

Companhia das Letras

O dois anos, oito meses e 28 noites

Salman Rushdie

R$ 72,90

Companhia das Letras

A invasão do povo do espírito

Juan Pablo Villalobos

R$ 74,90

Companhia das Letras

Só por hoje e para sempre

Renato Russo

R$ 47,90

Companhia das Letras

O diário de Guantánamo

Mohamedou Ould Slahi

R$ 62,90

Companhia das Letras

Confissões de um homem livre

Luiz Alberto Mendes

R$ 72,90

Ficha Técnica

Título original: Te vendo un perro Páginas: 248 Formato: 14.00 X 21.00 cm Peso: 0.308 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 03/09/2015
ISBN: 978-85-3592-631-6 Selo: Companhia das Letras Ilustração:

SOBRE O LIVRO

Encerrando a trilogia sobre o México, Juan Pablo Villalobos cria um ambiente farsesco em torno de velhos aposentados e tece uma crítica mordaz à vida em sociedade.

A rotina de Teo não está nada fácil. Aos 78 anos, acaba de se mudar para um prédio decadente cheio de anciãos. É recebido com pompas à altura de seu papel de escritor, embora nunca tenha escrito um único livro. Passa os dias entre as fofocas nos corredores, nutrindo desejos eróticos pela síndica e calculando quantas cervejas pode beber diariamente às custas de um pecúlio que deve durar até a sua morte. Em vidas em que nada acontece além de varizes à mostra, refluxos e baratas por todo lado, o grande evento do prédio é uma tertúlia literária, cujos participantes se impuseram o desafio de ler os sete tomos de Em busca do tempo perdido, intercalando Proust com aulas de modelagem com miolo de pão e ginástica aeróbica - tudo organizado pelos moradores, "convencidos de que a aposentadoria era um segundo jardim de infância". Herdeiro do temperamento artístico do pai, um pintor fracassado, Teo tenta se adequar aos perigos do cotidiano, como matar baratas no elevador com cuidado para evitar balanços bruscos, citar trechos da Teoria estética de Adorno para fugir de conversas embaraçosas e espionar o segredo de um restaurante chinês que, apesar de sujo, consegue manter as baratas do lado de fora. E sempre, sempre tentando convencer os novos amigos de que não é - e nunca foi - um escritor. Não. Pra dizer a verdade, este livro não é nada isso. Te vendo um cachorro trata de uma mãe e de um vendedor de tacos obcecados por cães. Ela para aplacar a solidão; ele para lucrar um pouco mais com o seu negócio. É também a história de um garoto que herdou, não se sabe se por destino ou talento, a taqueria do tio e, com ela, a técnica de preparar tacos à base de filés caninos... Mas é possível que o cerne desse romance seja mesmo ironizar os desejos sexuais, a velhice, a vida adulta, a juventude, a literatura, os religiosos, os críticos, os leitores e o México. De concreto, sabemos apenas que o herói do romance é de uma integridade singular, e isso fica bastante claro quando tentam lhe atribuir mais uma vez um passado mentiroso, desmerecedor de sua história: "Pode-se saber do que estou sendo acusado? De ser escritor? Pois eu me declaro inocente!". "O recurso da farsa de Villalobos não deixa pedra sobre pedra." -- El País "Seu terceiro e brutal romance confirma o autor com uma voz única da nova literatura mexicana." - Matías Néspolo, El Mundo

Sobre o autor