Home | Livros | Companhia das Letras | PELA LUZ DOS OLHOS TEUS
CLIQUE PARA AMPLIAR
Ler um trecho

PELA LUZ DOS OLHOS TEUS

Vinicius de Moraes

R$ 47,90

/ À vista

Apresentação

Uma breve seleção de poemas de amor do poeta Vinicius de Moraes para encerrar bem o ano.

Frequentemente comprados juntos

Companhia das Letras

Pela luz dos olhos teus

Vinicius de Moraes

R$ 47,90

Companhia de Bolso

Nova antologia poética

Vinicius de Moraes

R$ 44,90

Alfaguara

Baú de espantos

Mario Quintana

R$ 52,90

Preço total de

R$ 145,70

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Companhia das Letras

Todo amor

Vinicius de Moraes

R$ 77,90

Indisponível

Companhia de Bolso

Nova antologia poética

Vinicius de Moraes

R$ 44,90

Companhia das Letras

Para viver um grande amor

Vinicius de Moraes

R$ 67,90

Companhia das Letras

História natural de Pablo Neruda

Vinicius de Moraes

R$ 67,90

Companhia das Letras

Roteiro lírico e sentimental da cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro, onde nasceu, vive em trânsito e morre de amor o poeta Vinicius de Moraes

Vinicius de Moraes

R$ 47,92

Companhia das Letras

Distraídos venceremos

Paulo Leminski

R$ 37,90

Alfaguara

Baú de espantos

Mario Quintana

R$ 52,90

Ficha Técnica

Título original: Pela luz dos olhos teus Páginas: 64 Formato: 12.20 X 18.00 cm Peso: 0.084 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 24/11/2016
ISBN: 978-85-3592-837-2 Selo: Companhia das Letras Ilustração: Filipe Jardim

SOBRE O LIVRO

Uma breve seleção de poemas de amor do poeta Vinicius de Moraes para encerrar bem o ano.

Ilustrada pelo artista plástico carioca Filipe Jardim, esta antologia reúne 22 poemas de um dos fundadores da bossa nova. Desde seu livro de estreia, O caminho para a distância, lançado em 1933, passando por Forma e exegese (1935) e Livro de sonetos (1957), até chegar a Novos poemas II (1959), o encantamento amoroso é o tema que perpassa toda a obra de um dos nossos principais poetas líricos. Se no poema "A mulher que passa" Vinicius pergunta: "Por que me faltas, se te procuro?", nos versos iniciais de "Soneto do Corifeu" ele define o estado de urgência em que vivia, numa assombrosa constatação: "São demais os perigos desta vida/ Para quem tem paixão, principalmente".

Sobre o autor