Home | Livros | Companhia das Letras | ENTERRE SEUS MORTOS
CLIQUE PARA AMPLIAR
Ler um trecho

ENTERRE SEUS MORTOS

Ana Paula Maia

R$ 44,90

/ À vista

Apresentação

Uma habilidosa mescla de novela policial, faroeste de horror e romance filosófico, escrito por uma das vozes mais originais da literatura brasileira contemporânea.

Frequentemente comprados juntos

Companhia das Letras

Enterre seus mortos

Ana Paula Maia

R$ 44,90

Alfaguara

Redemoinho em dia quente

Jarid Arraes

R$ 46,32

Companhia das Letras

De cada quinhentos uma alma

Ana Paula Maia

R$ 47,90

Preço total de

R$ 139,12

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Companhia das Letras

De cada quinhentos uma alma

Ana Paula Maia

R$ 47,90

Alfaguara

Redemoinho em dia quente

Jarid Arraes

R$ 46,32

Companhia das Letras

O sol na cabeça

Geovani Martins

R$ 49,90

Indisponível

Companhia das Letras

O avesso da pele - Vencedor Jabuti 2021

Jeferson Tenório

R$ 72,90

Companhia das Letras

Com armas sonolentas

Carola Saavedra

R$ 67,90

Indisponível

Companhia das Letras

Nunca houve um castelo

Martha Batalha

R$ 54,90

Alfaguara

Marrom e Amarelo

Paulo Scott

R$ 57,90

Companhia das Letras

Pequena coreografia do adeus

Aline Bei

R$ 62,90

Companhia das Letras

O quarto de Giovanni

James Baldwin

R$ 59,90

Companhia das Letras

A vida invisível de Eurídice Gusmão

Martha Batalha

R$ 57,90

Ficha Técnica

Título original: Enterre seus mortos Páginas: 136 Formato: 14.00 X 21.00 cm Peso: 0.195 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 19/03/2018
ISBN: 978-85-3593-067-2 Selo: Companhia das Letras Ilustração:

SOBRE O LIVRO

Uma habilidosa mescla de novela policial, faroeste de horror e romance filosófico, escrito por uma das vozes mais originais da literatura brasileira contemporânea.

Uma habilidosa mescla de novela policial, faroeste de horror e romance filosófico, escrito por uma das vozes mais originais da literatura brasileira contemporânea.

Edgar Wilson é "um homem simples que executa tarefas". Trabalha no órgão responsável por recolher animais mortos em estradas e levá-los para um depósito onde são triturados num grande moedor. Seu colega de profissão, Tomás, é um ex-padre excomungado pela Igreja Católica que distribui extrema unção aos moribundos vítimas de acidentes fatais que cruzam seu caminho.
A rotina de Edgar Wilson, absurda em sua pacatez, é alterada quando ele se depara com o corpo de uma mulher enforcada dentro da mata. Quando descobre que a polícia não possui recursos para recolhê-lo -- o rabecão está quebrado --, o funcionário é incapaz de deixá-lo à mercê dos abutres e decide rebocar o cadáver clandestinamente até o depósito, onde o guarda num velho freezer, à espera de um policial que, quando chega, não pode resolver a situação.
Nos próximos dias, o improvisado esquife receberá ainda outro achado de Wilson, o lacônico herói deste desolador romance kafkiano: desta vez o corpo de um homem. Habituados a conviver com a brutalidade, Edgar e Tomás não se abalam diante da morte, mas conhecem a fronteira, pela qual transitam diariamente, entre o bem e o mal, o homem e o animal. Enquanto Tomás se empenha em salvar a alma, Edgar se preocupa com a carcaça daqueles que cruzam seu caminho. Por isso, os dois decidem dar um fim digno àqueles infelizes cadáveres.
Em sua tentativa de devolvê-los ao curso da normalidade, palavra fugidia no universo que Ana Paula Maia constrói magistralmente, os dois removedores de animais mortos conhecerão o insalubre destino de seus semelhantes. Com uma linguagem seca, que mimetiza as estradas pelas quais o romance se desenrola, a autora faz brotar questões existenciais de difícil resolução. O resultado é uma inusitada mescla de romance filosófico e faroeste que revela o poderoso projeto literário de Maia.


"Nem da alma nem do coração. Os personagens de Ana Paula Maia sofrem do fígado." -- O Estado de S. Paulo

"É preciso entender muito de ficção, de realidade e de representação da realidade para poder escrever assim." -- O Globo

"Ana Paula encontra, em meio às manobras mais repulsivas, o tom mítico de uma maldição bíblica, disfarçada nos popismos de superfície." -- Rolling Stone Brasil

Sobre o autor