Home | Livros | Objetiva | FIEL
CLIQUE PARA AMPLIAR

R$ 59,90

/ À vista

Frequentemente comprados juntos

Objetiva

Fiel

Jessé Andarilho

R$ 59,90

Alfaguara

Efetivo variável

Jessé Andarilho

R$ 47,90

Clássicos Zahar

O ladrão de casaca: edição bolso de luxo

Maurice Leblanc

R$ 52,90

Preço total de

R$ 160,70

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Alfaguara

Efetivo variável

Jessé Andarilho

R$ 47,90

Alfaguara

Redemoinho em dia quente

Jarid Arraes

R$ 46,32

Companhia das Letras

O sol na cabeça

Geovani Martins

R$ 49,90

Indisponível

Seguinte

Heroínas negras brasileiras

Jarid Arraes

R$ 38,32

Clássicos Zahar

O ladrão de casaca: edição bolso de luxo

Maurice Leblanc

R$ 52,90

Companhia das Letras

O avesso da pele - Vencedor Jabuti 2021

Jeferson Tenório

R$ 72,90

Objetiva

Na minha pele

Lázaro Ramos

R$ 57,90

Companhia das Letras

Sobrevivendo no inferno

Racionais MC's

R$ 49,90

Companhia das Letras

Pequeno manual antirracista

Djamila Ribeiro

R$ 39,90

Alfaguara

Marrom e Amarelo

Paulo Scott

R$ 57,90

Companhia das Letras

Se a rua Beale falasse

James Baldwin

R$ 59,90

Ficha Técnica

Páginas: 216 Formato: 14.00 X 21.00 cm Peso: 0.277 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 24/06/2014
ISBN: 978-85-3900-583-3 Selo: Objetiva Ilustração:

SOBRE O LIVRO

Na linha de sucessão de escritores como Ferréz e MV Bill, surge Fiel, de Jessé Andarilho. Baseado em histórias reais que conteceram com o autor, seus amigos e conhecidos, o primeiro romance do carioca de 33 anos conta a vertiginosa ascensão e a queda de um menino no tráfico carioca. Fala também, com propriedade, da vida de centenas de jovens das periferias, favelas e comunidades das grandes metrópoles. Com mais um diferencial curioso: foi todo escrito pelo autor nas teclas de um celular para ocupar o tempo que passava dentro do trem a caminho de casa para o trabalho e vice-versa, muitas vezes em pé. Nascido no Rio de Janeiro em 1981, no bairro do Lins, Jessé foi criado em Antares, conjunto habitacional popular criado no início da década de 1970 na Zona Oeste da cidade, para receber moradores de favelas removidas da Zona Sul. Seu interesse pela literatura e pela escrita começou por acaso, quando ganhou de presente o livro Zona de Guerra, de Marcos Lopes. Saiu dizendo para todo mundo que tinha muitas histórias como as do livro para contar. Até que ouviu de um amigo: "Tem história melhor que a do cara, então vai lá e escreve!". Jessé não pensou duas vezes e começou a escrever. Assim nasceu o Fiel e também o codinome Andarilho. "Este frenético romance é prova cabal de que a capacidade criativa e empreendedora do povo carioca chegou à literatura, depois de passagens exitosas pela música, pelo teatro e pelo cinema", escreve o jornalista e também escritor Julio Ludemir. "Também é emblemático desses tempos que um cara que se autodenomina Andarilho tenha narrado o mundo que o cerca viajando de trem, que é um símbolo do apartheid carioca, que mantém a quase totalidade da sociedade aprisionada em guetos controlados ora pela milícia, ora pelo tráfico. Jessé rompeu os grilhões do gueto para produzir um livro que nos liberta a todos", continua Ludemir.

Sobre o autor