Home | Livros | Alfaguara | POEMAS CONCEBIDOS SEM PECADO E FACE IMÓVEL
CLIQUE PARA AMPLIAR
Ler um trecho

POEMAS CONCEBIDOS SEM PECADO E FACE IMÓVEL

Manoel de Barros

R$ 69,90

/ À vista

Apresentação

Para comemorar o centenário do nascimento de Manoel de Barros, a Alfaguara dá início ao projeto de reedição de toda sua obra poética.

Frequentemente comprados juntos

Alfaguara

Poemas concebidos sem pecado e face imóvel

Manoel de Barros

R$ 69,90

Alfaguara

Arranjos para assobio

Manoel de Barros

R$ 69,90

Alfaguara

O guardador de águas

Manoel de Barros

R$ 64,90

Preço total de

R$ 204,70

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Alfaguara

O guardador de águas

Manoel de Barros

R$ 64,90

Indisponível

Alfaguara

Arranjos para assobio

Manoel de Barros

R$ 69,90

Companhia das Letras

Poemas

Rainer Maria Rilke

R$ 69,90

Indisponível

Companhia das Letras

Júbilo, memória, noviciado da paixão

Hilda Hilst

R$ 59,90

Alfaguara

Livro sobre nada

Manoel de Barros

R$ 64,90

Companhia das Letras

Distraídos venceremos

Paulo Leminski

R$ 49,90

Alfaguara

Memórias inventadas

Manoel de Barros

R$ 64,90

Alfaguara

O livro das ignorãças

Manoel de Barros

R$ 69,90

Companhia das Letrinhas

Cantigas por um passarinho à toa (Nova edição)

Manoel de Barros

R$ 69,90

Alfaguara

O meu quintal é maior do que o mundo

Manoel de Barros

R$ 69,90

Boa Companhia

Haicais tropicais

Vários autores

R$ 59,90

Indisponível

Ficha Técnica

Páginas: 120 Formato: 15.00 X 23.40 cm Peso: 0.225 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 14/03/2016
ISBN: 978-85-5652-006-7 Selo: Alfaguara Ilustração:

SOBRE O LIVRO

Para comemorar o centenário do nascimento de Manoel de Barros, a Alfaguara dá início ao projeto de reedição de toda sua obra poética.

Manoel de Barros iniciou bem jovem sua carreira. E, já no primeiro livro, Poemas concebidos sem pecado, de 1937, demonstrava completo domínio da poética modernista. Manoel recolheu as lições de nomes como Mário de Andrade, Manuel Bandeira, Raul Bopp, mas foi além, trilhando um caminho próprio, evocando personagens da infância na região cuiabana, embora não num sentido estritamente localista. Há uma busca do universal na primeira poesia de Manoel de Barros. Ela está no compromisso do poeta com uma visão de mundo enraizada na percepção dos humildes, dos que vivem à sombra da sociedade - os excêntricos, os pobres, os prestadores de pequenos serviços. É o mundo visto de baixo, do rés do chão, do inusitado de uma "sabença" sem pecado, sem gramáticas prévias. Tal capacidade de poetizar o mundo por meio de um olhar oblíquo e atento a detalhes em geral despercebidos se faz igualmente presente nos poemas de temática mais urbana de Face imóvel. Em todos os poemas reunidos no presente volume há a aproximação entre os ritmos da poesia e os da prosa, característica que passou a ser uma das maiores marcas da obra deste poeta, definitivamente situado entre os grandes de nossa literatura.