Home | Livros | Alfaguara | O GUARDADOR DE ÁGUAS
CLIQUE PARA AMPLIAR
Ler um trecho

O GUARDADOR DE ÁGUAS

Manoel de Barros

Apresentação

Síntese primorosa do universo simbólico de Manoel de Barros, O guardador de águas subverte e contém toda a exuberância da natureza do Pantanal.

Frequentemente comprados juntos

Alfaguara

O guardador de águas

Manoel de Barros

R$ 64,90

Alfaguara

Arranjos para assobio

Manoel de Barros

R$ 69,90

Alfaguara

Poemas concebidos sem pecado e face imóvel

Manoel de Barros

R$ 69,90

Preço total de

R$ 204,70

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Alfaguara

Arranjos para assobio

Manoel de Barros

R$ 69,90

Alfaguara

Poemas concebidos sem pecado e face imóvel

Manoel de Barros

R$ 69,90

Alfaguara

Livro sobre nada

Manoel de Barros

R$ 64,90

Alfaguara

Memórias inventadas

Manoel de Barros

R$ 55,17

Companhia das Letras

Distraídos venceremos

Paulo Leminski

R$ 49,90

Companhia das Letras

Poemas

Rainer Maria Rilke

R$ 69,90

Indisponível

Alfaguara

O livro das ignorãças

Manoel de Barros

R$ 69,90

Alfaguara

Matéria de poesia

Manoel de Barros

R$ 59,90

Alfaguara

O meu quintal é maior do que o mundo

Manoel de Barros

R$ 69,90

Companhia das Letrinhas

Cantigas por um passarinho à toa (Nova edição)

Manoel de Barros

R$ 69,90

Companhia das Letras

Júbilo, memória, noviciado da paixão

Hilda Hilst

R$ 59,90

Ficha Técnica

Páginas: 112 Formato: 15.00 X 23.40 cm Peso: 0.195 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 20/07/2017
ISBN: 978-85-5652-045-6 Selo: Alfaguara Ilustração:

SOBRE O LIVRO

Síntese primorosa do universo simbólico de Manoel de Barros, O guardador de águas subverte e contém toda a exuberância da natureza do Pantanal.

Em O guardador de águas, Manoel de Barros duplica-se e cede a palavra a outro personagem, o Bernardo da Mata. Bernardo era empregado de sua fazenda e foi seu amigo de vida inteira. Em vários poemas, é Bernardo quem apresenta a fala primal da natureza que tanto caracteriza o poeta. Mas a poesia de Manoel não é ingênua, ela não ignora a teia estabelecida pela cultura. Ela desafia a lógica convencional, exercitando-se na metalinguagem. Este livro é feito de frases em mutação, que juntam as águas, o mato e os pequenos seres da mata. Mas não se deixem enganar: Manoel é muito maior que um "poeta pantaneiro", expressão tantas vezes utilizada para defini-lo. É ele quem diz: "Não tenho em mente trazer contribuição para o acervo folclórico do Pantanal. Meu negócio é descascar as palavras, se possível, até a mais lírica semente delas".