Home | Livros | Alfaguara | O VERÃO DO CHIBO
CLIQUE PARA AMPLIAR

O VERÃO DO CHIBO

Vanessa Barbara e Emilio Fraia

R$ 52,90

/ À vista

Frequentemente comprados juntos

Alfaguara

O verão do chibo

Vanessa Barbara e Emilio Fraia

R$ 52,90

Companhia das Letras

Toda poesia

Paulo Leminski

R$ 72,90

Objetiva

1968: O ano que não terminou (Edição especial)

Zuenir Ventura

R$ 77,90

Preço total de

R$ 203,70

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Alfaguara

Noites de alface

Vanessa Barbara

R$ 57,90

Alfaguara

Sebastopol

Emilio Fraia

R$ 57,90

Companhia das Letras

O louco de palestra

Vanessa Barbara

R$ 57,90

Alfaguara

O encontro

Anne Enright

R$ 64,90

Alfaguara

Kafka à beira-mar

Haruki Murakami

R$ 97,90

Objetiva

Sonho de uma noite de verão

Adriana Falcão

R$ 64,90

Alfaguara

Viva o povo brasileiro

João Ubaldo Ribeiro

R$ 99,90

Alfaguara

O livro dos mandarins

Ricardo Lísias

R$ 72,90

Alfaguara

Norwegian Wood

Haruki Murakami

R$ 79,90

Ficha Técnica

Páginas: 120 Formato: 15.00 X 23.40 cm Peso: 0.223 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 04/06/2008
ISBN: 978-85-6028-151-0 Selo: Alfaguara Ilustração:

SOBRE O LIVRO

O verão do Chibo revela a habilidade narrativa de dois autores que já podem ser incluídos entre os mais originais da nova geração de escritores brasileiros. Obra sutil, muitas vezes cômica, outras vezes emocionante, trata, sobretudo, dos mistérios que cercam o amadurecimento. No livro, um menino de cerca de sete anos, mergulhado num universo muito particular, descreve suas aventuras nas férias de verão, embrenhado num milharal ao lado de outros amigos. Mas esse é um verão diferente. Pois Chibo, seu irmão mais velho, some misteriosamente, e os outros garotos parecem seguir o mesmo caminho. Emilio Fraia e Vanessa Barbara contam que trabalharam de forma exaustiva, nesse seu primeiro romance, para mesclar ideias e estilos e conseguir alcançar uma voz narrativa coesa. "Quando duas pessoas escrevem juntas, e não são vaidosas, o resultado é melhor do que quando trabalham separadas." A frase, do escritor argentino Adolfo Bioy Casares sobre a famosa parceria com Jorge Luis Borges, é usada pela dupla para ilustrar a motivação que os une.

Sobre o autor