Home | Livros | Zahar | MEMÓRIAS GASTRONÔMICAS DE TODOS OS TEMPOS
CLIQUE PARA AMPLIAR

MEMÓRIAS GASTRONÔMICAS DE TODOS OS TEMPOS

Seguido de Pequena história da culinária

Alexandre Dumas

Você pode gostar também de

Zahar

Grande dicionário de culinária

Alexandre Dumas

R$ 129,90

Indisponível

Zahar

Napoleão

Alexandre Dumas

R$ 52,90

Zahar

A mulher da gargantilha de veludo

Alexandre Dumas

R$ 69,90

Indisponível

Clássicos Zahar

Vinte anos depois: edição comentada e ilustrada

Alexandre Dumas

R$ 149,90

Clássicos Zahar

O conde de Monte Cristo: edição comentada e ilustrada

Alexandre Dumas

R$ 214,90

Zahar

Banquete

Roy Strong

R$ 92,90

Indisponível

Cia das Letras

A rainha Margot

Alexandre Dumas

R$ 49,90

Indisponível

Companhia das Letrinhas

Os três mosqueteiros

Alexandre Dumas

R$ 57,90

Indisponível

Clássicos Zahar

A Agulha Oca: edição bolso de luxo

Maurice Leblanc

R$ 47,90

Companhia de Mesa

Não é sopa (Nova edição)

Nina Horta

R$ 99,90

Clássicos Zahar

O conde de Monte Cristo: edição bolso de luxo

Alexandre Dumas

R$ 109,90

Ficha Técnica

Páginas: 150 Formato: 16.00 X 21.00 cm Peso: 0.241 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 26/10/2005
ISBN: 978-85-7110-887-5 Selo: Zahar Ilustração:

SOBRE O LIVRO

"Minha reputação culinária ... promete apagar minha reputação literária. Louvado seja Deus!"
Naturalmente, essa amarga previsão de Dumas não se concretizou. Ao contrário, a popularidade de Os três mosqueteiros e O conde de Monte Cristo, entre muitos outros, é que ofuscou o Grande dicionário de culinária montado pacientemente pelo autor ao longo de quinze anos. E é dessa obra de referência gastronômica, hoje reconhecida como das mais importantes, que se originam os dois textos apresentados nesse livro.

O primeiro, Memórias gastronômicas, consiste numa carta de Dumas a seu amigo Jules Janin, escritor e crítico literário. Nela, o missivista, "a pretexto de uma conversa rápida sobre os séculos XIX, XVIII e até mesmo o XVII", ora mistura recordações pessoais a peripécias culinárias do passado ou contemporâneas como em "Um frango assado antes da guilhotina", "A aposta de Viel-Castel", ou nas hilariantes e peculiares "Reflexões sobre a salada", ora faz uso de seu talento como cronista, discorrendo informalmente sobre personalidades ilustres da história da gastronomia, jantares inesquecíveis, farras da mocidade, sua curiosa temporada numa aldeia da Bretanha... Transcreve documentos, como a carta de Carême tecendo comentários nada lisonjeiros sobre Brillat-Savarin, e nos convida sem cerimônia para as ceias que promovia em seu Palacete Monte Cristo, revelando o segredo da receita de sua salada e reproduzindo cardápios históricos.

Já em Pequena história da culinária, a máquina do tempo de Dumas transporta o leitor da Macieira do Paraíso à inauguração do primeiro restaurante em Paris, passando pelos gregos, Xerxes, Alexandre, Calígula, Apício e Lúculo, o Renascimento, a introdução dos talheres e das especiarias até a profissionalização da gastronomia. Dumas dá vazão a seu espírito de curiosidade e bom humor, numa conversa informal e descontraída sobre o caprichoso universo da "oitava arte".
A edição inclui ainda notas históricas acerca de personagens e fatos específicos, e, como brinde, um "Cardápio D'Artagnan", com as respectivas receitas. Que o leitor deguste e se divirta.