Home | Livros | Seguinte | FRANKENSTEIN
CLIQUE PARA AMPLIAR
Ler um trecho

FRANKENSTEIN

Contado por Ruy Castro

Mary Shelley
Tradução: Ruy Castro

R$ 54,90

/ À vista

Apresentação

Ele era escorraçado de todos os ambientes como se fosse um monstro. Ninguém queria saber de seus sentimentos, nem ligava para o fato de que talvez tivesse uma alma. Foi então que ele começou a matar. O clássico da literatura de horror recontado por Ruy Castro.

Frequentemente comprados juntos

Seguinte

Frankenstein

Mary Shelley

R$ 54,90

Companhia das Letras

Terra sonâmbula

Mia Couto

R$ 69,90

Alfaguara

A borra do café

Mario Benedetti

R$ 74,90

Preço total de

R$ 199,70

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Alfaguara

Feliz ano velho

Marcelo Rubens Paiva

R$ 74,90

Companhia das Letrinhas

O gato malhado e a andorinha Sinhá

Jorge Amado

R$ 69,90

Brinque-Book

Eu sou assim e vou te mostrar

Heinz Janisch

R$ 64,90

Companhia das Letras

O guarda-roupa modernista

Carolina Casarin

R$ 109,90

Brinque-Book

Guilherme Augusto Araújo Fernandes

Mem Fox

R$ 59,90

Alfaguara

Gótico nordestino

Cristhiano Aguiar

R$ 58,41

Companhia das Letrinhas

A estranha madame Mizu

Thierry Lenain

R$ 54,90

Companhia das Letras

A história secreta (Nova edição)

Donna Tartt

R$ 94,90

Zahar

O eu soberano

Elisabeth Roudinesco

R$ 94,90

Companhia das Letrinhas

Ei! Tem alguém aí?

Jostein Gaarder

R$ 64,90

Brinque-Book

Estrelas e planetas

Pierre Winters

R$ 59,90

Ficha Técnica

Título original: Frankenstein Páginas: 136 Formato: 12.00 X 21.00 cm Peso: 0.17 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 18/08/1994
ISBN: 978-85-7164-398-7 Selo: Seguinte Ilustração: Odilon Moraes

SOBRE O LIVRO

Ele era escorraçado de todos os ambientes como se fosse um monstro. Ninguém queria saber de seus sentimentos, nem ligava para o fato de que talvez tivesse uma alma. Foi então que ele começou a matar. O clássico da literatura de horror recontado por Ruy Castro.

Eles o escorraçavam de todos os ambientes como se ele fosse um monstro. Ninguém queria saber de seus sentimentos, nem ligava para o fato de que talvez ele tivesse uma alma. Foi então que ele começou a matar.Bem, vamos ser justos: ele era mesmo um monstro, mas tinha motivos para isso. E foram esses motivos que o tornaram o personagem mais importante da literatura de horror.