Home | Livros | Alfaguara | FELIZ ANO VELHO
CLIQUE PARA AMPLIAR

FELIZ ANO VELHO

Marcelo Rubens Paiva

R$ 62,90

/ À vista

Apresentação

Ao relatar o acidente que o deixou tetraplégico, Marcelo Rubens Paiva confere à narrativa a mesma energia com que transpôs a armadilha do destino.

Frequentemente comprados juntos

Alfaguara

Feliz ano velho

Marcelo Rubens Paiva

R$ 62,90

Companhia das Letras

As meninas

Lygia Fagundes Telles

R$ 69,90

Companhia das Letras

Grande sertão: veredas

João Guimarães Rosa

R$ 99,90

Preço total de

R$ 232,70

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Seguinte

Frankenstein

Mary Shelley

R$ 49,90

Brinque-Book

Eu sou assim e vou te mostrar

Heinz Janisch

R$ 59,90

Indisponível

Companhia das Letrinhas

O gato malhado e a andorinha Sinhá

Jorge Amado

R$ 59,90

Zahar

O eu soberano

Elisabeth Roudinesco

R$ 89,90

Companhia das Letrinhas

A estranha madame Mizu

Thierry Lenain

R$ 49,90

Companhia das Letras

O guarda-roupa modernista

Carolina Casarin

R$ 109,90

Alfaguara

Gótico nordestino

Cristhiano Aguiar

R$ 54,90

Brinque-Book

Estrelas e planetas

Pierre Winters

R$ 57,90

Brinque-Book

Guilherme Augusto Araújo Fernandes

Mem Fox

R$ 59,90

Indisponível

Companhia das Letrinhas

Ei! Tem alguém aí?

Jostein Gaarder

R$ 57,90

Companhia das Letras

A história secreta (Nova edição)

Donna Tartt

R$ 79,90

Ficha Técnica

Páginas: 272 Formato: 15.00 X 23.40 cm Peso: 0.414 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 04/08/2015
ISBN: 978-85-7962-419-3 Selo: Alfaguara Ilustração:

SOBRE O LIVRO

Ao relatar o acidente que o deixou tetraplégico, Marcelo Rubens Paiva confere à narrativa a mesma energia com que transpôs a armadilha do destino.

Feliz ano velho é o primeiro livro de Marcelo Rubens Paiva. Aos vinte anos, ele sobe em uma pedra e mergulha numa lagoa imitando o Tio Patinhas. A lagoa é rasa, ele esmigalha uma vértebra e perde os movimentos do corpo. Escrito com sentido de urgência, o livro relata as mudanças irreversíveis na vida do garoto a partir do acidente. Ele é transferido de um hospital a outro, enfrenta médicos reticentes, luta para conquistar pequenas reações do corpo. Aos poucos, se dá conta de sua nova realidade, irreversível. E entende que é preciso lutar. O texto expressa a irreverência e a determinação da juventude, mesmo na adversidade, e a compreensão precoce "de que o futuro é uma quantidade infinita de incertezas".

Leitura obrigatória do vestibular da UFRGS.

Sobre o autor