Home | Livros | Seguinte | TUDO DEPENDE DE COMO VOCÊ VÊ AS COISAS
CLIQUE PARA AMPLIAR
Ler um trecho

TUDO DEPENDE DE COMO VOCÊ VÊ AS COISAS

Norton Juster e Jules Feiffer
Tradução: Jorio Dauster
Previsão de reimpressão: 03/2024

Apresentação

Milo não achava graça em coisa nenhuma, mas depois de conhecer lugares incomuns como a terra das Expectativas e a ilha das Conclusões Apressadas, ele conclui: tudo depende de como você vê as coisas. Um pequeno clássico repleto de jogos de palavras.

Frequentemente comprados juntos

Seguinte

Tudo depende de como você vê as coisas

Norton Juster e Jules Feiffer

R$ 54,90

Seguinte

Cinderela chinesa

Adeline Yen Mah

R$ 54,90

Quadrinhos na Cia

Três sombras

Cyril Pedrosa

R$ 67,90

Preço total de

R$ 177,70

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Objetiva

Comédias para se ler na escola

Luis Fernando Verissimo

R$ 57,90

Indisponível

Seguinte

Cinderela chinesa

Adeline Yen Mah

R$ 54,90

Seguinte

O livro selvagem

Juan Villoro

R$ 54,90

Indisponível

Seguinte

O dia em que minha vida mudou por causa de um chocolate comprado nas Ilhas Maldivas

Keka Reis

R$ 49,90

Indisponível

Boa Companhia

Haicais tropicais

Vários autores

R$ 49,90

Indisponível

Companhia das Letras

O conto da ilha desconhecida

José Saramago

R$ 59,90

Seguinte

O homem no teto

Jules Feiffer

R$ 49,90

Seguinte

Um barril de risadas, um vale de lágrimas

Jules Feiffer

R$ 54,90

Companhia das Letrinhas

Volta ao mundo em 52 histórias

Neil Philip

R$ 59,90

Seguinte

Por lugares incríveis

Jennifer Niven

R$ 38,43

Ficha Técnica

Páginas: 264 Formato: 16.00 X 23.00 cm Peso: 0.468 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 19/01/1999
ISBN: 978-85-7164-855-5 Selo: Seguinte Ilustração: Jules Feiffer

SOBRE O LIVRO

Milo não achava graça em coisa nenhuma, mas depois de conhecer lugares incomuns como a terra das Expectativas e a ilha das Conclusões Apressadas, ele conclui: tudo depende de como você vê as coisas. Um pequeno clássico repleto de jogos de palavras.

Só porque não via graça em coisa nenhuma, Milo acaba fazendo uma viagem durante a qual não passa por nenhum lugar-comum. Ele conhece, por exemplo, uma cidade cuja economia se baseia na produção e no comércio de palavras. Conhece a Doce Rima e a Razão Pura. Cruza com personagens um tanto desagradáveis: a Dúvida Atroz, a Desculpa Esfarrapada... Tem contato com uma figurinha cuja família é especializada em pontos de vista: "Meu pai prevê as coisas, minha mãe revê as coisas, meu irmão entrevê as coisas, meu tio vê o outro lado de todas as coisas e minha irmã Alice vê o que existe por debaixo das coisas". Nessa história em que o arquiteto Norton Juster usa jogos de palavra para mudar as idéias de lugar, Milo, o garoto entediado, não tem como não ver as coisas de outra maneira.

Título Altamente Recomendável pela Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil - FNLIJ 1999, categoria tradução/jovem

Sobre o autor

Prêmios