Home | Livros | Companhia das Letras | CONTEMPLAÇÃO / O FOGUISTA
CLIQUE PARA AMPLIAR

CONTEMPLAÇÃO / O FOGUISTA

Franz Kafka
Tradução: Modesto Carone

R$ 59,90

R$ 50,92

/ À vista

Apresentação

Contemplação, o primeiro livro publicado por Kafka (1912), é um conjunto de dezoito textos que já revelam uma das linhas de força da literatura kafkiana: a naturalização do absurdo. O foguista, um trabalho de qualidade excepcional, saiu em 1913 como peça autônoma, embora se tratasse do primeiro capítulo do romance O desaparecido, até hoje incorretamente denominado América.

Frequentemente comprados juntos

Companhia das Letras

Contemplação / O foguista

Franz Kafka

R$ 50,92

Companhia das Letras

Um médico rural

Franz Kafka

R$ 50,92

Companhia das Letras

O fazedor

Jorge Luis Borges

R$ 74,90

Preço total de

R$ 176,74

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Companhia das Letras

Um médico rural

Franz Kafka

R$ 50,92

Companhia das Letras

Narrativas do espólio

Franz Kafka

R$ 59,42

Companhia das Letras

Um artista da fome / A construção

Franz Kafka

R$ 59,90

Companhia das Letras

O veredicto / Na colônia penal

Franz Kafka

R$ 59,90

Companhia das Letras

O castelo

Franz Kafka

R$ 99,90

Indisponível

Companhia das Letras

Dentro da baleia e outros ensaios

George Orwell

R$ 59,90

Companhia das Letras

Durante aquele estranho chá

Lygia Fagundes Telles

R$ 59,90

Companhia das Letras

A especulação imobiliária

Italo Calvino

R$ 64,90

Ficha Técnica

Título original: Betrachtung/ Der heizer Páginas: 104 Formato: 14.00 X 21.00 cm Peso: 0.175 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 07/12/1999
ISBN: 978-85-7164-958-3 Selo: Companhia das Letras Ilustração:

SOBRE O LIVRO

Contemplação, o primeiro livro publicado por Kafka (1912), é um conjunto de dezoito textos que já revelam uma das linhas de força da literatura kafkiana: a naturalização do absurdo. O foguista, um trabalho de qualidade excepcional, saiu em 1913 como peça autônoma, embora se tratasse do primeiro capítulo do romance O desaparecido, até hoje incorretamente denominado América.

Para traduzir o título do primeiro livro publicado por Kafka, Modesto Carone preferiu a palavra contemplação (em vez de meditação ou consideração, por exemplo). A escolha evoca uma característica comum aos dezoito textos que compõem a obra: em todos eles o olhar do observador, seja ele narrador em primeira ou em terceira pessoa, concentra-se no estado em que as coisas se apresentam ao serem observadas.Quem contempla mergulha numa espécie de presente contínuo. Ignora o passado das coisas, a história que as tornou o que são agora, neste instante. Ignora também o futuro; não projeta, não cria expectativas, não concebe planos para influir sobre o que elas são neste momento. Contemplar é um modo de observação que exclui o desejo e a necessidade de agir sobre as coisas.Não interrogando nem o passado nem o futuro, os narradores e personagens de Contemplação tornam-se especialmente persuasivos. Movimentam-se no mundo como se fosse eterna a duração do status quo. Mesmo em textos como "Os que passam por nós correndo", "Decisões" ou "Desejo de se tornar índio", o que parece constituir-se como pensamento especulativo traduz antes uma adesão empática ao estado imediato das coisas, como se quem observa (a si mesmo ou ao que lhe é exterior) desconhecesse a passagem do tempo - e, portanto, não soubesse discriminar ou supor relações de causalidade. Já acompanhamos aqui uma das linhas de força da literatura kafkiana: a "naturalização do absurdo", para usar a expressão de Modesto Carone.Em O foguista, o arroubo juvenil de um rapaz de dezessete anos desencadeia um simulacro de julgamento em que a noção de justiça será confrontada com os imperativos da disciplina. No entanto, esse embate se dilui quando surge para o rapaz uma perspectiva inesperada de felicidade individual. Criando coincidências, entrelaçando abruptamente situações e sentimentos que uma compreensão realista manteria distantes, Kafka materializa, também aqui, um pouco daquela estranha lógica que nos faz observar o mundo com espanto.Contemplação, o primeiro livro publicado por Kafka, foi lançado no final de 1912; possui textos que chegam a datar de 1903, quando o autor tinha vinte anos - e é surpreendente como o talento do grande mestre universal já está presente aqui. A novela O foguista - um trabalho de qualidade literária excepcional - foi publicado por Kafka em 1913, como peça autônoma, embora se tratasse do primeiro (e mais célebre) capítulo do romance O desaparecido, até hoje incorretamente denominado América.

Sobre o autor