Home | Livros | Claro Enigma | AS FIGURAS DO SAGRADO
CLIQUE PARA AMPLIAR
Ler um trecho

AS FIGURAS DO SAGRADO

Maria Lucia Montes

R$ 59,90

/ À vista

Apresentação

O Brasil não é mais um país cuja religiosidade pode ser medida pelo número de católicos. A chegada das igrejas protestantes, a ascensão do espiritismo, a influência crescente das igrejas pentecostais foram alguns dos motivos que tiraram a igreja católica do centro da religiosidade no país. Este ensaio faz uma análise importante desse tema central da vida brasileira e mostra que a sua complexidade vai muito além da constatação do tão aclamado sincretismo religioso.

Frequentemente comprados juntos

Claro Enigma

As figuras do sagrado

Maria Lucia Montes

R$ 59,90

Claro Enigma

Nem preto nem branco muito pelo contrário

Lilia Moritz Schwarcz

R$ 59,90

Claro Enigma

Se liga no som

Ricardo Teperman

R$ 59,90

Preço total de

R$ 179,70

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Claro Enigma

Nem preto nem branco muito pelo contrário

Lilia Moritz Schwarcz

R$ 59,90

Claro Enigma

Cidadania: um projeto em construção

André Botelho Lilia Moritz Schwarcz

R$ 59,90

Claro Enigma

Se liga no som

Ricardo Teperman

R$ 59,90

Indisponível

Claro Enigma

Mocambos e quilombos

Flávio dos Santos Gomes

R$ 69,90

Indisponível

Claro Enigma

De olho em Zumbi dos Palmares

Flávio dos Santos Gomes

R$ 49,90

Claro Enigma

De olho em Mário de Andrade

André Botelho

R$ 49,90

Companhia das Letras

Sobre fotografia

Susan Sontag

R$ 79,90

Companhia das Letras

Sobre o autoritarismo brasileiro

Lilia Moritz Schwarcz

R$ 79,90

Zahar

Por uma revolução africana

Frantz Fanon

R$ 79,90

Ficha Técnica

Título original: As figuras do sagrado Páginas: 152 Formato: 13.50 X 21.00 cm Peso: 0.198 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 16/01/2013
ISBN: 978-85-8166-021-9 Selo: Claro Enigma Ilustração:

SOBRE O LIVRO

O Brasil não é mais um país cuja religiosidade pode ser medida pelo número de católicos. A chegada das igrejas protestantes, a ascensão do espiritismo, a influência crescente das igrejas pentecostais foram alguns dos motivos que tiraram a igreja católica do centro da religiosidade no país. Este ensaio faz uma análise importante desse tema central da vida brasileira e mostra que a sua complexidade vai muito além da constatação do tão aclamado sincretismo religioso.

A virada para o século XX marcou uma guinada radical na vida religiosa da sociedade brasileira. Hegemônica durante quatro séculos, a igreja católica teve que se adequar, a partir da proclamação da República, a um estado laico. Assim, sem o amparo das estruturas oficiais de poder, viu-se obrigada a lutar por outros meios para minimizar suas perdas, procurando manter o controle do ensino ou beneficiar-se de outras formas de poder simbólico junto à sociedade, como a entronização de Nossa Senhora Aparecida como padroeira da nação, por exemplo. A própria religião, porém, foi sendo empurrada cada vez mais para o âmbito do privado, como uma espécie de prática cultural de caráter individual, em que cada pessoa deve buscar os valores que lhe pareçam mais convenientes.
Em As figuras do sagrado, Maria Lucia Montes revela as transformações que essa transição provocou no país, especialmente com o avanço de novas religiões, o que acabou criando um comércio próprio e peculiar - o mercado de bens de salvação.
Nesse contexto, coube aos líderes religiosos estruturar suas instituições de acordo com a lógica das organizações e dos fenômenos culturais de massa - o que fica evidente na distribuição dos núcleos espíritas como federações, no apelo popular de grandes movimentos católicos como a TFP e a Renovação Carismática, ou nos padrões empresariais de gestão das igrejas neopentecostais. Além disso, graças a meios de comunicação como o rádio e a televisão, outras formas de persuasão social foram incorporadas, fazendo da prática religiosa contemporânea um grande espetáculo pós-moderno.
Partindo de exemplos recentes, como a polêmica que se tornou conhecida como "o chute na santa", protagonizada pelo bispo de uma igreja pentecostal em 1985, passando por figuras públicas como Mãe Menininha do Gantois, D. Paulo Evaristo Arns e Edir Macedo, este ensaio faz uma ampla análise sobre as nuances da relação entre o público e o privado na religiosidade brasileira, referindo-se às principais religiões do país e suas especificidades.

Sobre o autor