Home | Livros | Penguin-Companhia | VIDAS SECAS
CLIQUE PARA AMPLIAR

R$ 29,90

/ À vista

Apresentação

Um dos maiores clássicos da literatura brasileira e retrato de uma época, Vidas secas traz a história de uma família que, procurando uma vida melhor, enfrenta a seca do sertão, a fome, o desamparo e a violência das instituições.

Frequentemente comprados juntos

Penguin-Companhia

Vidas secas

Graciliano Ramos

R$ 29,90

Penguin-Companhia

Angústia

Graciliano Ramos

R$ 39,90

Penguin-Companhia

S. Bernardo

Graciliano Ramos

R$ 39,90

Preço total de

R$ 109,70

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Penguin-Companhia

Espumas flutuantes / Os escravos

Castro Alves

R$ 64,90

Companhia das Letras

Viagem a Portugal (Edição especial)

José Saramago

R$ 199,90

Companhia das Letras

O gaucho insofrível

Roberto Bolaño

R$ 69,90

Companhia das Letras

Trilogia - Autor vencedor do Nobel de literatura 2023

Jon Fosse

R$ 69,90

Companhia das Letras

A arte perdida das escrituras

Karen Armstrong

R$ 159,90

Companhia das Letras

Palmeiras selvagens

William Faulkner

R$ 119,90

Ficha Técnica

Páginas: 128 Formato: 13.00 X 20.00 cm Peso: 0.131 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 08/02/2024
ISBN: 978-85-8285-189-0 Selo: Penguin-Companhia Ilustração:

SOBRE O LIVRO

Um dos maiores clássicos da literatura brasileira e retrato de uma época, Vidas secas traz a história de uma família que, procurando uma vida melhor, enfrenta a seca do sertão, a fome, o desamparo e a violência das instituições.

Na planície avermelhada do sertão, uma família de retirantes atravessa a seca em busca de vida nova. Fabiano, sinha Vitória, o menino mais novo, o menino mais velho e a cachorra Baleia caminham dias inteiros, à procura de água, comida e pouso. No trajeto, encontram com figuras essenciais para compreender o contexto histórico e social da obra-prima de Graciliano Ramos, publicada pela primeira vez em 1938. Marco da segunda fase do modernismo, Vidas secas é o registro da identidade de um povo e um clássico incontornável da literatura brasileira.
Em texto de 1944 reproduzido na edição, o autor declarou: "Fiz o livrinho, sem paisagens, sem diálogos. E sem amor. Nisso, pelo menos, ele deve ter alguma originalidade. Ausência de tabaréus bem falantes, queimadas, cheias, poentes vermelhos, namoro de caboclos. Minha gente, quase muda, vive preocupadas com o estômago, não têm tempo de abraçar-se".


A edição conta com estabelecimento de texto e posfácio de Ieda Lebensztayn, crítica literária e doutora em literatura brasileira pela Universidade de São Paulo (USP).

Sobre o autor