5 curiosidades sobre gatos - e 5 livros em que eles dão o ar da graça

21/01/2024

Gatos têm fama de serem pouco confiáveis. Bichos que não se apegam, que somem por dias sem dar explicação (e quase sempre retornam como se nada tivesse acontecido), que tratam seus donos mais como servos do que como família. Mas, os #catlovers (hashtag com mais de 44 milhões de postagens no Instagram) juram que isso é só balela. No Brasil, de acordo com o Censo Pet IPB de 2022, temos um gato a cada sete humanos - sendo 27,1 milhões de bichanos de estimação em território nacional  - mas os cachorros ainda são maioria, somando 58,1 milhões. No mundo, estima-se que haja mais de 600 milhões de gatos - entre os domésticos e os abandonados. E nos livros ilustrados, eles também marcam presença!

Pepê, o gato-vilão da série Homem-Cão


Veja cinco curiosidades surpreendentes sobre os felinos:

 

1. Para baixo todo santo ajuda - e pra cima também

Sabia que, mesmo caindo do 10º andar, a chance de um gato sobreviver é de cerca de 90%? Não bastasse a elasticidade de seu corpo, eles ainda têm uma pele logo abaixo das axilas, que se estica formando uma espécie de paraquedas quando saltam. Mas eles não são bons só em cair, não. Há boatos de que eles conseguem saltar alturas que equivalem a 5 vezes o seu tamanho.


2. Queridinhos do Egito 


Você deve saber que os gatos eram venerados no antigo Egito - e eram até mumificados, com direito a ratos embalsamados em seus túmulos. Mas você sabia que havia até uma deusa gato? Estamos falando de Bastet, deusa dos lares e da fertilidade, que podia ser representada como gato ou como uma humana com cabeça de gata. Antes de os gatos começarem a ser domesticados - o que também aconteceu no Egito! - há registros de que a deusa era representada com cabeça de leoa. 


3. Gatos têm medo de… pepino?


Há um tempo, se multiplicaram pela internet vídeos de gatos assustados ao serem surpreendidos com pepinos. Embora o nível de periculosidade do legume seja nulo, há uma explicação biológica para que os felinos se assustem: seu formato, comprido, se assemelha ao de uma cobra. E, nessa hora, os instintos dos bichanos falam mais alto!


4. É verdade que os gatos não gostam de banho?


Embora a expressão “banho de gato” sugira um ritual de higiene que deixa a desejar, nem todos os gatos são avessos a banho - alguns até gostam. Ainda assim, a popular aversão dos felinos à água pode remeter à sua ancestralidade desértica. O parente mais próximo dos gatos domésticos é o Gato-da-Líbia (Felis lybica), uma espécie de gato selvagem que tem origem no norte da África, mais precisamente na região ocupada pelo deserto do Saara. A bagagem evolutiva não rendeu muitos recursos para que os gatos de hoje aprendessem a lidar com água… Mas não subestime o banho de gato: se lambendo, os bichanos são capazes de retirar pelos e sujeiras soltos, graças aos pequenos filamentos que eles têm na língua. Assim, ela funciona como se fosse uma escova.


5.E por falar em sujeira…


Sabia que as bolas de pelos que os gatos vomitam têm nome? A denominação correta é egagrópilos - o que não torna o ritual mais agradável...

 

Leia também: 21 livros infantis para quem ama cachorros

 

5 Livros em que gatos dão o ar da graça

 

Veja livros em que os gatos deixam suas marcas - ou pegadas - nas histórias:


O Homem-cão: mamãe dos ventos uivantes (Companhia das Letrinhas, 2022)

Capa de O Homem-Cão: mamãe dos ventos uivantes

Na série Homem-Cão, de Dav Pilkey, o gato Pepê não é exatamente um exemplo a ser seguido, mas neste livro, ele acaba se regenerando.O gato é mais um personagem que Dav usa para tratar de temas complexos - no caso do gato, o abandono parental. Nesta obra, conhecemos a história de vida de Pepê, que ajuda a entender sua trajetória de gato marginal, entrando e saindo da cadeia. E vemos como ele se redime de sua vilanidades, com o nascimento de seu filho, Pepezinho. a paternidade faz com que Pepê queira ser uma versão melhor de si mesmo.


Carona na vassoura (Brinque-Book, 2012)

Capa de Carona na Vassoura

Nesta divertida obra de  Julia Donaldson, ilustrada por Axel Scheffler, o gato é companheiro da bruxa que pilota a vassoura. Pelo caminho, por causa de uma série de percalços, outros bichos vão aproveitando a carona. E, juntos, eles têm uma ideia genial para salvar a bruxa das garras de um dragão.


O gato e o escuro (Companhia das Letrinhas, 2008)

Capa O gato e o escuro

Neste conto de Mia Couto, ilustrado por Marilda Castanha, acompanhamos a saga do gato Pintalgato, que deseja explorar o mundo - mas que, para isso, precisa ressignificar seus medos. Em uma prosa cheia de pequenas poesias, o felino vai percebendo que os medos são ideias que criamos sobre aquilo que não conhecemos - ou que imaginamos. 


O Gato Malhado e a andorinha Sinhá (Companhia das Letrinhas, 2008)

1Capa de O Gato Malhado e a andorinha Sinhá

O Gato Malhado não tinha lá um temperamento muito fácil e botava todo mundo para correr. Todo mundo, menos a Andorinha Sinhá. Bastou que ele notasse que a passarinha não se intimidava com sua presença para dali brotar uma amizade. Uma narrativa de Jorge Amado com ilustrações de Carybé, que mostra como a convivência com o diferente pode ser transformadora. 

 

O gato xadrez (Brinque-Book, 2012)

Capa de O gato xadrez

De Isa Mara Lando, com ilustrações de Tatiana Paiva, é daquelas histórias que os menorzinhos adoram. Nela, acompanhamos um gato em busca de seu próprio estilo - e nele passa por várias transformações.

Leia também: Para crianças? Livros infantis que todo adulto precisa ler

Compartilhe:

Veja também