Livro acessível
Clique para ampliar
#JUNKY
Marco cultural dos anos 1950, Junky descreve o périplo de um viciado em drogas pesadas. O livro entra agora para o time de clássicos malditos da coleção Má Companhia.
Apresentação
Cotidiano modorrento, um atestado de dispensa do serviço militar e alguns trambiques. Assim o narrador de Junky descreve sua vida antes das drogas. Nem mesmo as catástrofes da Segunda Guerra Mundial haviam sido merecedoras de sua atenção. Alguns miligramas de morfina causariam mais impacto.
Mescla de confissão - William Burroughs foi dependente de narcóticos por catorze anos - e uma objetividade radical, marcada por uma narração veloz e sem espaço para reflexões psicológicas, o livro marcou a estreia do autor na literatura.
Escrito em 1949, durante uma temporada de Burroughs no México, Junky discorre sobre experiências com morfina, heroína, cocaína, remédios controlados, maconha e tráfico de substâncias ilegais. Não obstante alguns percalços iniciais, que atrasaram a publicação em quatro anos, o livro resultou num sucesso editorial.
Nos Estados Unidos dos anos 1950, as drogas eram um demônio a ser combatido. Em Junky não há lugar para a vergonha, o arrependimento e muito menos a redenção, o que, na época, ia contra tudo o que se considerava útil no tocante à abordagem das drogas na literatura. Recheada de confissões de violência, homossexualismo e teorias extravagantes a respeito dos benefícios filosófico-espirituais da droga pesada, a narrativa causou choque. “Estou melhor de saúde agora, depois de ter tomado drogas pesadas em vários períodos da vida, do que estaria se nunca tivesse me viciado”, afirma o narrador ao se declarar dependente.
O amigo Allen Ginsberg, que se autointitulava “agente” de Burroughs por ter convencido um editor de Nova York a publicar o material que uma fila de profissionais havia rejeitado, festeja na introdução do livro sua “atitude cultural revolucionária”.
Décadas mais tarde, Junky permanece atual. Para além do fato de ter chocado uma época, sua força está na habilidade de Burroughs dar tratamento literário ao que chamou de um “estilo de vida”.

Com introdução de Allen Ginsberg.
Ficha Técnica
Título original: JUNKY
Tradução: Reinaldo Moraes
Capa: Retina _ 78
Páginas: 176
Formato: 14.00 X 21.00 cm
Peso: 0.223 kg
Acabamento: Brochura
Lançamento: 27/03/2013
ISBN: 9788535922370
Selo: Companhia das Letras
Série
O INVASOR
Marçal Aquino
São Paulo serve de cenário a um pesadelo sufocante, que mistura ambição, culpa e violência. Assim é O invasor, de Marçal Aquino, novela que só foi concluída cinco anos depois de ter virado roteiro do premiado filme do diretor Beto Brant. Leia +
JUNKY - Drogado
William S. Burroughs
Marco cultural dos anos 1950, Junky descreve o périplo de um viciado em drogas pesadas. O livro entra agora para o time de clássicos malditos da coleção Má Companhia. Leia +
NÃO HÁ NADA LÁ
Joca Reiners Terron
Autores de diversas épocas, músicos, poetas e ocultistas, bandoleiros e até um papa se encontram no romance de estreia de Joca Reiners Terron. Do mesmo autor de Do fundo do poço se vê a lua (prêmio Machado de Assis na categoria romance). Leia +
PILEQUES - Drinques e outras bebedeiras
F. Scott Fitzgerald
Os píncaros da alegria etílica e o tenebroso abismo do vício se encontram nesta seleção de textos sobre álcool de um dos mais brilhantes autores do século XX. Leia +
SONETOS LUXURIOSOS
Pietro Aretino
Escrito há cerca de quinhentos anos, estes Sonetos luxuriosos, de Pietro Aretino, o mais despudorado dos poetas italianos, amado e odiado por sua franqueza, ganham nova edição pelo selo Má Companhia. Tradução e introdução de José Paulo Paes. Leia +
TANTO FAZ & ABACAXI
Reinaldo Moraes
Os dois romances cult dos anos 80, que contam as peripécias de um cara de trinta e poucos anos em Paris e Nova York, com altas doses de sexo, drogas e muita bebida, aparecem reunidos nesta nova edição revista pelo autor, Reinaldo Moraes, um dos escritores que integra o clã dos “malditos” da coleção Má Companhia. Leia +
Autor

Assine a newsletter da Companhia