Home | Livros | Companhia das Letras | CAMINHANDO COM OS MORTOS
CLIQUE PARA AMPLIAR

CAMINHANDO COM OS MORTOS

Micheliny Verunschk

R$ 64,90

R$ 58,41

/ À vista

Apresentação

Da autora de O som do rugido da onça -- vencedor do prêmio Jabuti --, um romance aterrador sobre as consequências perversas da intolerância e da doutrinação religiosa.

Frequentemente comprados juntos

Companhia das Letras

Caminhando com os mortos

Micheliny Verunschk

R$ 58,41

Companhia das Letras

O presidente pornô

Bruna Kalil Othero

R$ 63,67

Companhia das Letras

Veado assassino

Santiago Nazarian

R$ 59,42

Preço total de

R$ 181,50

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Companhia das Letras

O continente - vol. 1

Erico Verissimo

R$ 89,90

Companhia das Letras

A cidade ilhada (Nova edição)

Milton Hatoum

R$ 62,91

Fontanar

Em defesa do tempo

Jenny Odell

R$ 99,90

Companhia das Letrinhas

Bela, a fera, e Fernão, o belo

Janaina Tokitaka

R$ 9,90

Zahar

O contrato racial

Charles W. Mills

R$ 79,90

Companhia das Letrinhas

Adonis (Nova edição)

Blandina Franco

R$ 53,91

Seguinte

Um sonho em Tóquio

Emiko Jean

R$ 69,90

Seguinte

Perfeita (na teoria)

Sophie Gonzales

R$ 50,92

Companhia das Letras

Triste não é ao certo a palavra

Gabriel Abreu

R$ 62,91

Companhia das Letrinhas

O mundo é de todo mundo

Tati Bernardi

R$ 53,91

Companhia das Letras

O guarda-roupa modernista

Carolina Casarin

R$ 109,90

Companhia das Letras

O som do rugido da onça - Vencedor Jabuti 2022

Micheliny Verunschk

R$ 59,42

Ficha Técnica

Páginas: 144 Formato: 14.00 X 21.00 cm Peso: 0.21 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 02/06/2023
ISBN: 978-65-5921-404-4 Selo: Companhia das Letras Capa: Alceu Chiesorin Nunes Ilustração:

SOBRE O LIVRO

Da autora de O som do rugido da onça -- vencedor do prêmio Jabuti --, um romance aterrador sobre as consequências perversas da intolerância e da doutrinação religiosa.

Um crime choca os moradores de uma pequena cidade no interior do Brasil: uma mulher é queimada viva, em um ritual motivado por razões religiosas, a fim de purificar a vítima e endireitá-la para o "caminho do bem". A violência parece ter se tornado parte da paisagem: desde que uma comunidade evangélica se instalou na região, episódios do tipo se tornaram cada vez mais comuns. Cabe então ao leitor juntar fragmentos, seguir as pistas e acompanhar os rastros de uma mulher que tenta organizar a narrativa desse trágico acontecimento -- enquanto ela mesma tenta lidar com seus próprios traumas e a ausência de um grande amigo.
Em Caminhando com os mortos, a premiada escritora Micheliny Verunschk constrói um romance inovador e assustadoramente atual, que demonstra como o ódio às mulheres e às minorias atravessa os séculos, sobretudo quando se vale do fanatismo religioso.


"Micheliny Verunschk vai longe e mergulha na história da colonização das Américas através de uma experiência pessoalíssima e terrível de como as religiões foram um braço forte de um projeto que ajudou a destruir um povo e seus costumes, sua terra, sua alegria de viver, sua relação com o divino." -- Natalia Borges Polesso


"Quem chega nas regiões em que tudo é ausência? O que fazem quando ocupam todo o espaço? Caminhando com os mortos é sobre o fogo capaz de queimar Celeste em Tapuio, outras mulheres no Brasil e tantas bruxas ao longo da história da humanidade." -- Manuela d'Ávila


"Como o trágico se constrói através de uma teia de violências, mais ou menos silenciosas? Cumprindo um dos papéis mais fortes da boa ficção, provocando tensões com o real em sua potência imaginária, Micheliny Verunschk nos leva pela mão e pela linguagem ao interior de um Brasil pouco visível, onde habita a fera que pode, também, devorar seu caçador. Se em seu premiado livro era a onça quem rugia, neste há um imenso silêncio. Assombrado." -- Bianca Ramoneda