Home | Livros | Companhia das Letras | O PRESIDENTE PORNÔ
CLIQUE PARA AMPLIAR

O PRESIDENTE PORNÔ

Bruna Kalil Othero

R$ 74,90

/ À vista

Apresentação

Um romance hilário, ousado e diferente de tudo o que já se viu. Parece invenção, mas é (quase) tudo nossa história.

Frequentemente comprados juntos

Companhia das Letras

O presidente pornô

Bruna Kalil Othero

R$ 74,90

Companhia das Letras

Caminhando com os mortos

Micheliny Verunschk

R$ 64,90

Companhia de Bolso

O processo

Franz Kafka

R$ 54,90

Preço total de

R$ 194,70

Adicionar ao carrinho

Ficha Técnica

Páginas: 248 Formato: 14.00 X 21.00 cm Peso: 0.31 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 14/07/2023
ISBN: 978-65-5921-541-6 Selo: Companhia das Letras Capa: Caco Neves Ilustração:

SOBRE O LIVRO

Um romance hilário, ousado e diferente de tudo o que já se viu. Parece invenção, mas é (quase) tudo nossa história.

Numa pátria chamada Plazil, Bráulio Garrazazuis Bestianelli elegeu-se presidente. Neste misto de ficção histórica e pornochanchada política, acompanhamos desde a infância do protagonista até a instauração de uma ditadura autoproclamada, em episódios que certamente soarão familiar ao leitor. Isso porque, para construir Bráulio, Bruna Kalil Othero mergulhou em nossa história republicana e pinçou características de todos os homens que ocuparam o mais alto cargo de poder. Já o que acontece entre quatro paredes fica por conta da autora.
Com muito bom humor e inventividade, Bruna nos convida a olhar para nosso passado para ver o que constitui o Brasil -- e nós mesmos. Repleto de referências que vão de Machado de Assis, Hilda Hilst e Nelson Rodrigues a memes da internet, O presidente pornô é o romance de estreia de uma das vozes mais instigantes da literatura contemporânea brasileira.


"Com um humor inteligente, ágil e corrosivo, Bruna Kalil Othero faz uma brilhante alegoria da política brasileira. O presidente pornô é uma arqueologia sombria e sarcástica de como chegamos ao fundo do poço." -- Jeferson Tenório


"Nesse país, desgovernado por um sujeito pornográfico, misógino, racista, o que mete medo é o carnaval. Haja Plazil! Um retrato sem retoques de um país em que a República, desavisada, perdeu a calcinha. E, sim, Gregório de Matos estaria orgulhoso!" -- Micheliny Verunschk

Sobre o autor