Home | Livros | Companhia das Letras | REFLEXÕES SOBRE O EXÍLIO
CLIQUE PARA AMPLIAR

REFLEXÕES SOBRE O EXÍLIO

Edward W. Said
Tradução: Pedro Maia Soares

Apresentação

Reunião de ensaios de um dos maiores intelectuais da atualidade. O palestino Edward Said analisa autores de filosofia e literatura, como Conrad, Nietzsche, Vico, Lukács e Foucault, além de temas essenciais ligados à política, à antropologia, à música e à importância dos intelectuais no mundo atual, em que o exílio se tornou condição inescapável.

Frequentemente comprados juntos

Companhia das Letras

Reflexões sobre o exílio

Edward W. Said

R$ 59,90

Companhia das Letras

A vida dos animais

J. M. Coetzee

R$ 39,90

Companhia das Letras

Os dois corpos do rei

Ernst H. Kantorowicz

R$ 72,00

Preço total de

R$ 171,80

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Companhia das Letras

Humanismo e crítica democrática

Edward W. Said

R$ 62,90

Indisponível

Companhia de Bolso

Cultura e imperialismo

Edward W. Said

R$ 57,90

Companhia das Letras

Representações do intelectual

Edward W. Said

R$ 49,90

Companhia das Letras

Relações de força

Carlo Ginzburg

R$ 47,90

Indisponível

Companhia das Letras

Paralelos e paradoxos

Edward W. Said Daniel Barenboim

R$ 39,00

Indisponível

Companhia das Letras

68 contos de Raymond Carver

Raymond Carver

R$ 77,90

Indisponível

Companhia das Letras

Olhos de madeira

Carlo Ginzburg

R$ 59,90

Indisponível

Companhia das Letras

A vida dos animais

J. M. Coetzee

R$ 39,90

Indisponível

Companhia das Letras

Confissões de um burguês

Sándor Márai

R$ 74,90

Indisponível

Ficha Técnica

Páginas: 352 Formato: 16.00 X 23.00 cm Peso: 0.551 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 17/03/2003
ISBN: 978-85-3590-333-1 Selo: Companhia das Letras Ilustração:

SOBRE O LIVRO

Reunião de ensaios de um dos maiores intelectuais da atualidade. O palestino Edward Said analisa autores de filosofia e literatura, como Conrad, Nietzsche, Vico, Lukács e Foucault, além de temas essenciais ligados à política, à antropologia, à música e à importância dos intelectuais no mundo atual, em que o exílio se tornou condição inescapável.

Em ensaios primorosos, Edward Said combina experiência pessoal e reflexão teórica para abordar autores de filosofia e literatura, além de temas ligados à política, à antropologia, à música e ao papel social dos intelectuais.A guerra, o imperialismo e a ambição de governantes totalitários fizeram do século XX a era da imigração em massa e de uma condição de deslocamento psicológico ligado ao refúgio e ao exílio. A família de Edward Said é um exemplo significativo dessa condição: seu pai, a fim de não servir no exército turco, fugiu da Palestina para os Estados Unidos. Depois, já como cidadão americano, voltou, prosperou nos negócios e instalou-se no Egito.Foi no Cairo que o menino Edward passou a infância e a adolescência, quando estudou em escolas inglesas que ignoravam a cultura árabe. Como diz ele, a escola "me convencera de que com um nome como Said eu deveria envergonhar-me de mim mesmo, mas que meu lado Edward deveria ir adiante e progredir, ser mais inglês, agir mais como inglês". É do ponto de vista privilegiado e ao mesmo tempo doloroso de quem sempre esteve dividido entre duas culturas que Said aborda uma série de temas que conduzem, cada um à sua maneira, ao ensaio que dá título ao livro. Como ele mesmo afirma, o exílio é uma fratura terrível e "sua tristeza essencial jamais pode ser superada".

Sobre o autor