Home | Livros | Companhia de Bolso | CULTURA E IMPERIALISMO
CLIQUE PARA AMPLIAR
Ler um trecho

CULTURA E IMPERIALISMO

Edward W. Said
Tradução: Denise Bottmann

R$ 57,90

/ À vista

Apresentação

Depois do clássico Orientalismo, Edward Said escreveu esta obra em que discute a influência dos pressupostos imperialistas na política e na cultura ocidentais, desde os grandes romances do século XIX até a cobertura jornalística da Guerra do Golfo.

Frequentemente comprados juntos

Companhia de Bolso

Cultura e imperialismo

Edward W. Said

R$ 57,90

Companhia de Bolso

Orientalismo

Edward W. Said

R$ 62,90

Companhia de Bolso

Uma história dos povos árabes

Albert Hourani

R$ 79,90

Preço total de

R$ 200,70

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Companhia de Bolso

Uma história dos povos árabes

Albert Hourani

R$ 79,90

Companhia de Bolso

Origens do totalitarismo

Hannah Arendt

R$ 64,90

Companhia de Bolso

Idade média idade dos homens

Georges Duby

R$ 44,90

Companhia de Bolso

História do medo no ocidente, 1300-1800

Jean Delumeau

R$ 54,90

Companhia de Bolso

O queijo e os vermes

Carlo Ginzburg

R$ 44,90

Companhia de Bolso

Os andarilhos do bem

Carlo Ginzburg

R$ 44,90

Companhia de Bolso

As damas do século XII

Georges Duby

R$ 47,90

Companhia de Bolso

Cultura popular na Idade Moderna

Peter Burke

R$ 49,90

Companhia de Bolso

A cultura do Renascimento na Itália

Jacob Burckhardt

R$ 47,90

Ficha Técnica

Título original: Culture and imperialism (pocket) Páginas: 568 Formato: 12.50 X 18.00 cm Peso: 0.46 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 12/09/2011
ISBN: 978-85-3591-951-6 Selo: Companhia de Bolso Ilustração:

SOBRE O LIVRO

Depois do clássico Orientalismo, Edward Said escreveu esta obra em que discute a influência dos pressupostos imperialistas na política e na cultura ocidentais, desde os grandes romances do século XIX até a cobertura jornalística da Guerra do Golfo.

Edward Said faz um trabalho brilhante de crítica literária ao examinar como as ideias imperialistas influenciaram e continuam influenciando a política e a cultura ocidentais. Ele desvenda como a ficção ocidental dos séculos XIX e XX e os meios de comunicação em massa de hoje podem ser armas de conquista poderosas, além de analisar o surgimento das vozes de oposição dos nativos na literatura dos países colonizados.
O entendimento dessa "estrutura de atitudes e referências" imperial e das reações a ela no processo de descolonização é o caminho privilegiado para se descortinar uma perspectiva esperançosa: a coexistência harmoniosa entre o Ocidente e suas antigas dependências coloniais, algo que só será realidade quando alcançarmos uma compreensão histórica de que todas as culturas são, inevitavelmente, interdependentes.

Sobre o autor