Home | Livros | Companhia das Letras | FEITORES DO CORPO, MISSIONÁRIOS DA MENTE
CLIQUE PARA AMPLIAR
Ler um trecho

FEITORES DO CORPO, MISSIONÁRIOS DA MENTE

Rafael de Bivar Marquese

R$ 99,90

/ À vista

Apresentação

Nesta pesquisa pioneira, uma visão ampla e aprofundada sobre as diversas maneiras como o trabalho escravo foi concebido e explorado no continente americano. Abordando três séculos de escravidão, Rafael de Bivar Marquese lança nova luz à compreensão histórica de nosso continente.

Frequentemente comprados juntos

Companhia das Letras

Feitores do corpo, missionários da mente

Rafael de Bivar Marquese

R$ 99,90

Companhia das Letras

Rebelião escrava no Brasil

João José Reis

R$ 134,90

Companhia das Letras

O diabo na água benta

Robert Darnton

R$ 129,90

Preço total de

R$ 364,70

Adicionar ao carrinho
Rebelião escrava no Brasil

Companhia das Letras

Rebelião escrava no Brasil

João José Reis

R$ 134,90

Indisponível
O diabo na água benta

Companhia das Letras

O diabo na água benta

Robert Darnton

R$ 129,90

O diabo e a terra de santa cruz

Companhia das Letras

O diabo e a terra de santa cruz

Laura de Mello e Souza

R$ 94,90

Indisponível
Capitalismo e escravidão

Companhia das Letras

Capitalismo e escravidão

Eric Williams

R$ 79,90

Indisponível
O Jardim das Hespérides

Companhia das Letras

O Jardim das Hespérides

Laura de Mello e Souza

R$ 89,90

Ficha Técnica

Título original: Feitores do corpo, missionários da mente Páginas: 496 Formato: 16.00 X 23.00 cm Peso: 0.762 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 15/10/2004
ISBN: 978-85-3590-561-8 Selo: Companhia das Letras Ilustração:

SOBRE O LIVRO

Nesta pesquisa pioneira, uma visão ampla e aprofundada sobre as diversas maneiras como o trabalho escravo foi concebido e explorado no continente americano. Abordando três séculos de escravidão, Rafael de Bivar Marquese lança nova luz à compreensão histórica de nosso continente.

O trabalho escravo, base da economia colonial nas Américas, gerou intensos debates entre senhores, governantes, letrados e juristas. Como seria administrar uma propriedade de modo que os escravos gerassem altos lucros, evitando ao mesmo tempo as perdas, as fugas e as revoltas? Ao lado dessa questão pragmática, que interessava sobretudo os investidores na economia colonial, impunham-se também problemas filosóficos: como conceber a escravidão num mundo que caminhava para a modernização econômica e política?
Na análise de leis, tratados morais, manuais agrícolas, obras econômicas e artigos acadêmicos referentes ao Brasil, a Cuba, aos Estados Unidos e ao Caribe inglês e francês ao longo de três séculos, o historiador Rafael de Bivar Marquese mostra como o trabalho escravo foi concebido nas diversas regiões da América. A princípio inspiradas nas teorias clássicas e cristãs, pouco a pouco essas idéias se deixaram permear pelos novos princípios econômicos e políticos, dialogando de forma direta com o pensamento abolicionista.
Como observa a historiadora Silvia Hunold Lara, que assina o texto de orelha do livro, o exame das raízes teóricas e dos objetivos pragmáticos que permeavam a gestão dos escravos indica a articulação estreita entre economia e política, e ajuda a ampliar o debate sobre aspectos cruciais de nossa formação histórica.

Sobre o autor