CLIQUE PARA AMPLIAR
Ler um trecho

Apresentação

Aprisionado pela neve em uma minúscula e remota cidade da Turquia, o poeta Ka se vê no epicentro de um microcosmo de conflitos raciais e religiosos do mundo muçulmano.

Frequentemente comprados juntos

Companhia das Letras

Neve

Orhan Pamuk

R$ 94,90

Companhia de Bolso

Meu nome é vermelho

Orhan Pamuk

R$ 54,90

Companhia das Letras

Americanah

Chimamanda Ngozi Adichie

R$ 82,90

Preço total de

R$ 232,70

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Companhia de Bolso

Meu nome é vermelho

Orhan Pamuk

R$ 54,90

Companhia das Letras

Istambul

Orhan Pamuk

R$ 87,90

Indisponível

Companhia das Letras

O museu da inocência

Orhan Pamuk

R$ 87,90

Indisponível

Companhia das Letras

Uma sensação estranha

Orhan Pamuk

R$ 94,90

Companhia das Letras

A casa do silêncio

Orhan Pamuk

R$ 72,90

Companhia das Letras

O Castelo Branco

Orhan Pamuk

R$ 62,90

Companhia das Letras

O jogo da amarelinha

Julio Cortázar

R$ 124,90

Companhia das Letras

A maleta do meu pai

Orhan Pamuk

R$ 39,90

Indisponível

Ficha Técnica

Páginas: 488 Formato: 16.00 X 23.00 cm Peso: 0.741 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 17/10/2006
ISBN: 978-85-3590-922-7 Selo: Companhia das Letras Ilustração:

SOBRE O LIVRO

Aprisionado pela neve em uma minúscula e remota cidade da Turquia, o poeta Ka se vê no epicentro de um microcosmo de conflitos raciais e religiosos do mundo muçulmano.

Neve, que o autor Ohran Pamuk define como "seu primeiro e último romance político", conta a história de Ka, poeta exilado na Alemanha, que viaja a uma pequena cidade turca com o pretexto de investigar a onda de suicídios entre jovens muçulmanas que assola o vilarejo. Durante essa visita, uma nevasca bloqueia todas as estradas, insulando a cidade do resto do mundo. É nesse clima de isolamento que um veterano ator e sua mulher aproveitam para liderar um golpe militar.
Embora tenha se distanciado da política há muitos anos, Ka é alçado a protagonista involuntário dessa revolução. Nada menos apropriado para o escritor cujo desejo, além de se casar com Ìpek, antiga colega de escola, é apenas registrar as poesias que lhe escapam há anos, mas que agora passam a fluir com extrema naturalidade. Mas o turbilhão provocado pelo golpe traz à tona a truculência das forças de segurança, antigos ajustes de contas e o radicalismo de alguns militantes islâmicos. Enquanto Ka tenta se equilibrar entre as diversas facções em choque, vê a cidade se tornar um microcosmo dos conflitos raciais, políticos e étnicos da Turquia, além de palco da sua tragédia pessoal.

"Pamuk é o tipo de escritor para o qual o prêmio Nobel foi inventado" - Daily Telegraph

Sobre o autor

Prêmios