CLIQUE PARA AMPLIAR
Ler um trecho

Apresentação

Narrativa penumbrosa e divertida, entre existencialista e detetivesca, Cosmos explora as arbitrariedades da linguagem, o nonsense da vida humana e a busca por ordem e sentido em meio ao caos da vida psíquica.

Frequentemente comprados juntos

Companhia das Letras

Cosmos

Witold Gombrowicz

R$ 69,90

Companhia das Letras

Pornografia

Witold Gombrowicz

R$ 69,90

Companhia das Letras

Extinção

Thomas Bernhard

R$ 94,90

Preço total de

R$ 234,70

Adicionar ao carrinho
Pornografia

Companhia das Letras

Pornografia

Witold Gombrowicz

R$ 69,90

Indisponível
Ferdydurke

Companhia das Letras

Ferdydurke

Witold Gombrowicz

R$ 74,90

Indisponível
Caminhando com os mortos

Companhia das Letras

Caminhando com os mortos

Micheliny Verunschk

R$ 64,90

A cidade e os cachorros

Alfaguara

A cidade e os cachorros

Mario Vargas Llosa

R$ 89,90

Indisponível
Origem

Companhia das Letras

Origem

Thomas Bernhard

R$ 94,90

Indisponível
Meridiano de sangue (Nova edição)

Alfaguara

Meridiano de sangue (Nova edição)

Cormac McCarthy

R$ 80,91

A outra volta do parafuso

Penguin-Companhia

A outra volta do parafuso

Henry James

R$ 42,42

Ficha Técnica

Título original: Kosmos Páginas: 192 Formato: 14.00 X 21.00 cm Peso: 0.248 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 21/08/2007
ISBN: 978-85-3591-079-7 Selo: Companhia das Letras Ilustração:

SOBRE O LIVRO

Narrativa penumbrosa e divertida, entre existencialista e detetivesca, Cosmos explora as arbitrariedades da linguagem, o nonsense da vida humana e a busca por ordem e sentido em meio ao caos da vida psíquica.

Quem cometeu o crime mais esquisito da história da literatura detetivesca, presente logo nas primeiras páginas de Cosmos, a última história de Witold Gombrowicz? Terá sido um dos membros daquela família extravagante que acolhe o narrador na pensão de província durante suas férias? O pater familias, com seus hilariantes acessos histéricos à mesa? A mãe gordinha e repressora? A bela e silente Lena, filha do casal, tresandando uma sufocada sensualidade? A empregada de lábios reptilianos? Fuks, o repelente escudeiro do narrador?
As pistas para a resolução do enigma ao mesmo tempo macabro e burlesco talvez estejam naquelas manchas e riscos no teto da sala de jantar e do quarto que parecem formar constelações de significados, do mesmo jeito que as estrelas no céu compõem as figuras clássicas da astronomia antiga. Pelo menos é isso que o narrador se esforça para ver ali, em sua ânsia por ordem e significado em meio a um mundo louco que lhe parece perigosamente à deriva.
O culpado pode ser qualquer um, ou nenhum, dos excêntricos personagens que se movem em meio à neblina onírica de Cosmos. Talvez o dedo detetivesco do narrador aponte para si mesmo. Ou, hipótese ainda mais eletrizante, para o próprio leitor. Quem se aventura?

"Um dos livros mais profundos dos tempos modernos." - John Updike

Sobre o autor