Home | Livros | Companhia das Letras | MAR MORTO
CLIQUE PARA AMPLIAR

MAR MORTO

Jorge Amado

R$ 84,90

/ À vista

Apresentação

Na beira do cais de Salvador, entrelaçam-se várias histórias de pescadores, marinheiros, prostitutas e malandros. No centro desse mundo que parece parado no tempo, isolado da história, comandado pelo mito de Iemanjá, desenvolve-se a trajetória de Guma, jovem mestre de saveiro.

Frequentemente comprados juntos

Companhia das Letras

Mar morto

Jorge Amado

R$ 84,90

Companhia das Letras

Gabriela cravo e canela

Jorge Amado

R$ 89,90

Companhia das Letras

Dona flor e seus dois maridos

Jorge Amado

R$ 99,90

Preço total de

R$ 274,70

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Companhia das Letras

Dona flor e seus dois maridos

Jorge Amado

R$ 99,90

Indisponível

Companhia das Letras

Gabriela cravo e canela

Jorge Amado

R$ 89,90

Companhia das Letras

Tenda dos milagres

Jorge Amado

R$ 94,90

Indisponível

Companhia das Letras

Tieta do Agreste

Jorge Amado

R$ 109,90

Companhia das Letras

Capitães da areia

Jorge Amado

R$ 69,90

Companhia das Letras

Tereza Batista cansada de guerra

Jorge Amado

R$ 99,90

Companhia das Letras

A morte e a morte de Quincas Berro D'água

Jorge Amado

R$ 59,90

Companhia das Letras

Jubiabá

Jorge Amado

R$ 94,90

Indisponível

Companhia das Letras

Terras do sem-fim

Jorge Amado

R$ 79,90

Companhia das Letras

Cacau

Jorge Amado

R$ 79,90

Indisponível

Ficha Técnica

Título original: Mar morto Páginas: 288 Formato: 14.00 X 21.00 cm Peso: 0.361 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 10/03/2008
ISBN: 978-85-3591-182-4 Selo: Companhia das Letras Ilustração:

SOBRE O LIVRO

Na beira do cais de Salvador, entrelaçam-se várias histórias de pescadores, marinheiros, prostitutas e malandros. No centro desse mundo que parece parado no tempo, isolado da história, comandado pelo mito de Iemanjá, desenvolve-se a trajetória de Guma, jovem mestre de saveiro.

Escrito em 1936, quando o autor tinha apenas 24 anos, Mar morto conta as histórias da beira do cais da Bahia, como diz Jorge Amado na frase que abre o livro. E a frase é uma verdadeira carta de intenções. Nenhum outro livro sintetizou tão bem o mundo pulsante do cais de Salvador, com a rica mitologia que gira em torno de Iemanjá, a rainha do mar.
Personagens como o jovem mestre de saveiro Guma parecem prisioneiros de um destino traçado há muitas gerações: o dos homens que saem para o mar e que um dia serão levados por Iemanjá, deixando mulher e filhos a esperar, resignados.
Mas nesse mundo aparentemente parado no tempo há forças transformadoras em gestação. O médico Rodrigo e a professora Dulce, não por acaso dois forasteiros, procuram despertar a consciência da gente do cais contra o marasmo e a opressão.
É esse contraste entre o tempo do mito e o da história que move Mar morto, envolvendo-nos desde a primeira página na prosa calorosa de Jorge Amado.