Home | Livros | Companhia das Letras | CADA UM NA SUA LEI
CLIQUE PARA AMPLIAR
Ler um trecho

CADA UM NA SUA LEI

Stuart B. Schwartz
Tradução: Denise Bottmann

R$ 87,90

/ À vista

Apresentação

Durante décadas dedicado à história econômica e social do Brasil colônia e da América Espanhola, Stuart Schwartz agora nos apresenta obras de história cultural e põe em xeque as interpretações que absolutizam a intolerância religiosa vigente na Época Moderna.

Frequentemente comprados juntos

Companhia das Letras

Cada um na sua lei

Stuart B. Schwartz

R$ 87,90

Companhia das Letras

O sol e a sombra

Laura de Mello e Souza

R$ 104,90

Companhia das Letras

Represálias selvagens

Peter Gay

R$ 62,90

Preço total de

R$ 255,70

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Companhia das Letras

Represálias selvagens

Peter Gay

R$ 62,90

Companhia das Letras

Travessias difíceis

Simon Schama

R$ 87,90

Companhia das Letras

Segredos internos

Stuart B. Schwartz

R$ 74,90

Indisponível

Companhia das Letras

Burocracia e sociedade no Brasil colonial

Stuart B. Schwartz

R$ 82,90

Indisponível

Ficha Técnica

Título original: All can be saved Páginas: 488 Formato: 14.00 X 21.00 cm Peso: 0.587 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 13/08/2009
ISBN: 978-85-3591-499-3 Selo: Companhia das Letras Ilustração:

SOBRE O LIVRO

Durante décadas dedicado à história econômica e social do Brasil colônia e da América Espanhola, Stuart Schwartz agora nos apresenta obras de história cultural e põe em xeque as interpretações que absolutizam a intolerância religiosa vigente na Época Moderna.

Pode parecer improvável que um historiador descubra atitudes de tolerância religiosa na Espanha, em Portugal e em suas colônias ultramarinas dos séculos XVI ao XVIII, quando a Inquisição moderna procurava garantir por meios brutais a manutenção da ortodoxia católica. Pois é exatamente o que faz Stuart B. Schwartz neste livro. Ancorado em imenso corpo documental - garimpado sobretudo nos arquivos inquisitoriais -, o historiador investiga, e defende, a ideia de que o pensamento e comportamentos tolerantes floresceram no mundo luso-hispânico. Ainda mais surpreendente, seu foco não é a elite culta ou o trabalho de paladinos da tolerância; antes, se debruça sobre as "pessoas comuns", revelando um universo em que uma longa tradição de transigência, o bom senso ou a simples indiferença promoveram e possibilitaram a convivência de múltiplas crenças.
É claro que o autor não nega a perseguição às bruxas europeias ou aos conversos no mundo ibérico, as guerras de religião ou a rede institucional encarregada de castigar os desvios da fé. Mas não é esse o foco do livro: adotando a perspectiva de síntese que lhe é característica, mas apegado à descrição necessária a uma boa história antropológica, Schwartz conduz o leitor a uma viagem extraordinária pelos conventículos de judaizantes e mouriscos no mundo ibérico, buscando não seu isolamento, mas suas conexões com o universo dos católicos. O percurso continua pelos domínios americanos de Espanha e Portugal, periferia do mundo onde as "leis religiosas" se multiplicavam, resultado da diversidade de povos e da intensidade das mesclas típicas da colonização.
O livro esvazia, enfim, os clichês adotados por muitos historiadores, ao sublinhar as dúvidas e dilemas identitários mais do que o oficialismo dogmático das religiões. Acima de tudo, legitima a religião como campo de estudo relativamente autônomo, ao reconhecer a importância que a salvação da alma possuía para os indivíduos.

Sobre o autor