Home | Livros | Companhia das Letras | AS MORTES E O TRIUNFO DE ROSALINDA
CLIQUE PARA AMPLIAR
Ler um trecho

AS MORTES E O TRIUNFO DE ROSALINDA

Jorge Amado

Apresentação

Num jorro verbal e erótico ininterrupto, o assassino confesso de Rosalinda conta as múltiplas vidas e mortes dessa mulher fantástica que é ao mesmo tempo princesa hindu, dona de casa, madre superiora e dona de prostíbulo, além de ex-amante do patriarca de Alexandria.

Você pode gostar também de

Companhia das Letras

De como o mulato porciúncula descarregou seu defunto

Jorge Amado

R$ 64,90

Companhia das Letras

O milagre dos pássaros

Jorge Amado

R$ 59,90

Companhia das Letras

O sumiço da santa

Jorge Amado

R$ 99,90

Indisponível

Companhia das Letras

Os velhos marinheiros, ou, O capitão-de-longo-curso

Jorge Amado

R$ 84,90

Companhia das Letras

Tieta do Agreste

Jorge Amado

R$ 109,90

Companhia das Letras

Navegação de cabotagem

Jorge Amado

R$ 169,90

Quadrinhos na Cia

Jubiabá

Jorge Amado

R$ 69,90

Indisponível

Companhia das Letras

Os pastores da noite

Jorge Amado

R$ 94,90

Companhia das Letras

Tereza Batista cansada de guerra

Jorge Amado

R$ 99,90

Companhia das Letras

O menino grapiúna

Jorge Amado

R$ 64,90

Cia das Letras

O compadre de Ogum

Jorge Amado

R$ 59,90

Ficha Técnica

Título original: As mortes e o triunfo de Rosalinda Páginas: 72 Formato: 12.50 X 18.50 cm Peso: 0.091 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 08/03/2010
ISBN: 978-85-3591-584-6 Selo: Companhia das Letras Ilustração: Fernando Vilela

SOBRE O LIVRO

Num jorro verbal e erótico ininterrupto, o assassino confesso de Rosalinda conta as múltiplas vidas e mortes dessa mulher fantástica que é ao mesmo tempo princesa hindu, dona de casa, madre superiora e dona de prostíbulo, além de ex-amante do patriarca de Alexandria.

Publicado em 1965, ao lado de Marques Rebelo, Carlos Heitor Cony, João Antonio e Campos de Carvalho, entre outros, na coletânea de contos Os dez mandamentos, As mortes e o triunfo de Rosalinda ocupa um lugar sui generis na obra de Jorge Amado.
O autor definiu seu texto como "tentativa frustrada de estabelecer a escola do realismo anárquico" e o dedicou a Campos de Carvalho, expoente da literatura do absurdo no Brasil. Trata-se do jorro verbal, em primeira pessoa, do assassino confesso de Rosalinda, diante de um interlocutor que muda a todo momento: é alternadamente um militar, um bispo, um desembargador, uma madre superiora e outros representantes da autoridade.
Ao longo da sua dissertação, a própria Rosalinda se revela um ser fantástico, de muitas vidas e muitas mortes nos quatro cantos do planeta: "Rainha do Carnaval, princesa hindu, membro do comitê central de todas as confrarias eclesiásticas e de todos os partidos superados ou em via, madre superiora e pomba do pecado, dona de casa de mulheres-damas, presidenta da obra em benefício das mães solteiras, sem falar nos títulos universitários".
Em suas múltiplas faces, Rosalinda acaba sempre por colocar em xeque a supremacia masculina, levando seu amante a desejar destruí-la. Sátira feroz dos poderes instituídos, As mortes e o triunfo de Rosalinda subverte igualmente as convenções literárias e as prisões da lógica.
Ilustrado pelo artista gráfico Fernando Vilela e comentado pelo escritor angolano Pepetela, ganhador do prêmio Camões (1997), o livro faz parte da série de contos ilustrados de Jorge Amado, ao lado de O milagre dos pássaros e De como o mulato Porciúncula descarregou seu defunto.