Home | Livros | Companhia das Letras | VULTOS DA REPÚBLICA
CLIQUE PARA AMPLIAR
Ler um trecho

VULTOS DA REPÚBLICA

Humberto Werneck (Org.)

R$ 72,90

/ À vista

Apresentação

Um retrato mordaz - e certeiro - de figuras que, por afinidade ou manobra do destino, estão no centro do panorama político nacional. Escritos por grandes jornalistas da atualidade, os perfis da piauí são conhecidos por sua competência investigativa e pelo modo incomum de construir a identidade dos retratados.

Frequentemente comprados juntos

Companhia das Letras

Vultos da República

Humberto Werneck (Org.)

R$ 72,90

Companhia das Letras

Tempos instáveis

Fernando de Barros e Silva (Org.)

R$ 94,90

Companhia das Letras

Stasilândia

Anna Funder

R$ 77,90

Preço total de

R$ 245,70

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Companhia das Letras

A feijoada que derrubou o governo

Joel Silveira

R$ 62,90

Indisponível

Companhia das Letras

Dentro da floresta

David Remnick

R$ 97,90

Companhia das Letras

A árvore de Gernika

George L. Steer

R$ 87,90

Companhia das Letras

Anatomia de um julgamento

Janet Malcolm

R$ 62,90

Companhia das Letras

Honra teu pai

Gay Talese

R$ 77,90

Indisponível

Companhia das Letras

Elogiemos os homens ilustres

James Rufus Agee Walker Evans

R$ 87,90

Companhia das Letras

Fama e anonimato

Gay Talese

R$ 83,92

Companhia das Letras

41 inícios falsos

Janet Malcolm

R$ 72,90

Ficha Técnica

Título original: Vultos da república Páginas: 304 Formato: 14.00 X 21.00 cm Peso: 0.371 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 29/07/2010
ISBN: 978-85-3591-702-4 Selo: Companhia das Letras Ilustração:

SOBRE O LIVRO

Um retrato mordaz - e certeiro - de figuras que, por afinidade ou manobra do destino, estão no centro do panorama político nacional. Escritos por grandes jornalistas da atualidade, os perfis da piauí são conhecidos por sua competência investigativa e pelo modo incomum de construir a identidade dos retratados.

Fernando Henrique Cardoso prefere mala de cor berrante e não guarda canhoto de cartão de crédito. José Dirceu fica "louco sem um hidratante", não passa em frente a um espelho sem conferir o visual e tem em casa um quadro pintado por José Sarney. Dilma Rousseff confessa uma única tristeza na vida, a de não ser pintora. José Serra já foi "o galã das meninas" e nunca se sentiu tão bem quanto no palco, como ator. E Marina Silva só escreve com lapiseira e em letra de forma.
Detalhes sem importância? Nem tanto, quando se trata de compor um bom perfil jornalístico - gênero em que a revista piauí vem se esmerando desde o primeiro número, de outubro de 2006. Numa era de minimalismo editorial, a piauí tomou uma bem-vinda contramão, dedicando largo tempo e espaço à elaboração de perfis caprichados, que já renderiam algumas coletâneas. A primeira delas fecha o foco em personagens da cena política brasileira. Não só os que já disputaram votos - Serra, Marina, Dilma, FHC e José Dirceu - como outros influentes "vultos da República", para usar a rubrica não isenta de ironia que a revista cunhou para uns e outros: o ex-ministro Márcio Thomas Bastos; Sérgio Rosa, presidente do Previ, o maior fundo de pensão da América Latina; e, exceção entre poderosos, o caseiro Francenildo dos Santos, que involuntariamente embaralhou a sucessão do presidente Lula.
Escritos por quatro dos melhores jornalistas brasileiros da atualidade - Consuelo Dieguez, Daniela Pinheiro,
João Moreira Salles e Luiz Maklouf Carvalho -, os perfis reunidos neste livro certamente ajudam a iluminar o cenário político brasileiro. Mais do que isso: por sua alta qualidade, são textos sem data de validade, capazes de sobreviver à circunstância e continuar sendo, muito além de outubro próximo, uma leitura fascinante.

Sobre o autor