Home | Livros | Companhia das Letras | AS ESGANADAS
CLIQUE PARA AMPLIAR
Ler um trecho

AS ESGANADAS

Jô Soares

R$ 59,90

/ À vista

Apresentação

Rio, 1938. Um perigoso assassino está à solta nas ruas. Seu alvo: mulheres jovens, bonitas e... gordas. Sua arma: irresistíveis doces portugueses. Com requintes de crueldade gastronômica, ele mata sem piedade suas vítimas, e depois expõe seus cadáveres acintosamente, escarnecendo das autoridades.

Frequentemente comprados juntos

Companhia das Letras

As esganadas

Jô Soares

R$ 59,90

Companhia das Letras

Assassinatos na Academia Brasileira de Letras

Jô Soares

R$ 67,90

Companhia das Letras

O homem que matou Getúlio Vargas

Jô Soares

R$ 72,90

Preço total de

R$ 200,70

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Companhia das Letras

Assassinatos na Academia Brasileira de Letras

Jô Soares

R$ 67,90

Companhia das Letras

O homem que matou Getúlio Vargas

Jô Soares

R$ 72,90

Edição Econômica

O xangô de Baker Street

Jô Soares

R$ 52,90

Companhia das Letras

Formas do nada

Paulo Henriques Britto

R$ 49,90

Indisponível

Companhia das Letras

Sonetos luxuriosos

Pietro Aretino

R$ 39,90

Companhia das Letras

A copa que ninguém viu e a que não queremos lembrar

Roberto Muylaert Armando Nogueira Jô Soares

R$ 39,00

Indisponível

Companhia das Letras

A conquista social da terra

Edward O. Wilson

R$ 72,90

Indisponível

Companhia das Letras

Poemas

Adonis

R$ 67,90

Indisponível

Ficha Técnica

Título original: As esganadas Páginas: 264 Formato: 14.00 X 21.00 cm Peso: 0.372 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 14/10/2011
ISBN: 978-85-3591-975-2 Selo: Companhia das Letras Ilustração:

SOBRE O LIVRO

Rio, 1938. Um perigoso assassino está à solta nas ruas. Seu alvo: mulheres jovens, bonitas e... gordas. Sua arma: irresistíveis doces portugueses. Com requintes de crueldade gastronômica, ele mata sem piedade suas vítimas, e depois expõe seus cadáveres acintosamente, escarnecendo das autoridades.

Em As esganadas, o autor do best-seller O xangô de Baker Street explora mais uma vez tema que lhe é caro: os assassinatos em série. No entanto, tal como Alfred Hitchcock, que desprezava os romances policiais cujo objetivo se resume a descobrir quem é o criminoso (o famoso "whodonit"), Jô Soares revela logo no início não somente quem é o desalmado como sua motivação psicológica (melhor dizer psicanalítica) para matar. O delicioso núcleo narrativo está nas tentativas aparvalhadas da polícia de encontrar um criminoso que, além de muito esperto e de não despertar suspeita nenhuma, possui uma rara característica física que dificulta sobremaneira a utilização dos novos "métodos científicos" da polícia carioca.
Para investigar os crimes, o famigerado chefe de polícia Filinto Müller designa um delegado ranzinza, assessorado por um auxiliar obtuso e medroso, e que contará com a inestimável ajuda de um sofisticado e culto ex-inspetor. Na perseguição ao criminoso, os três investigadores ganham a desejável companhia de uma jovem linda, destemida, viajada e moderna, que é repórter e fotógrafa da principal revista ilustrada do país.
O leitor também pode se fartar aqui com uma outra faceta constante da obra literária de Jô Soares: a escolha de um momento do passado para cenário de sua narrativa, o que lhe permite entrar em detalhes históricos curiosos enquanto desenvolve a trama. Desta vez, voltamos ao Rio de Janeiro do Estado Novo, tendo por pano de fundo mais amplo o avanço do nazismo e as primeiras nuvens ameaçadoras que anunciam a Segunda Guerra Mundial. Entre os eventos da época que Jô resgata estão uma corrida de automóveis no Circuito da Gávea (de que participam o cineasta Manoel de Oliveira e o lendário Chico Landi) e a transmissão pelo rádio da derrota do Brasil de Leônidas da Silva para a Itália na semifinal da Copa de 1938, na França.
Com a verve que lhe é característica, Jô consegue, neste As esganadas, realizar a façanha de narrar uma série de crimes brutais, com requintes inimagináveis de crueldade, e deixar o leitor com um sorriso satisfeito nos lábios.

Vídeo