Home | Livros | Companhia das Letras | O HOMEM QUE MATOU GETÚLIO VARGAS
CLIQUE PARA AMPLIAR

O HOMEM QUE MATOU GETÚLIO VARGAS

Jô Soares

R$ 72,90

/ À vista

Apresentação

Biografia de um anarquista fictício que, entre 1914 e 1954, percorre várias partes do mundo para cumprir uma gloriosa e desastrada missão: matar tiranos. Romance em que até a História (a verdadeira) parece coisa de humorista.

Frequentemente comprados juntos

Companhia das Letras

O homem que matou Getúlio Vargas

Jô Soares

R$ 72,90

Companhia das Letras

Assassinatos na Academia Brasileira de Letras

Jô Soares

R$ 67,90

Companhia das Letras

As esganadas

Jô Soares

R$ 59,90

Preço total de

R$ 200,70

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Companhia das Letras

Assassinatos na Academia Brasileira de Letras

Jô Soares

R$ 67,90

Edição Econômica

O xangô de Baker Street

Jô Soares

R$ 52,90

Companhia das Letras

A copa que ninguém viu e a que não queremos lembrar

Roberto Muylaert Armando Nogueira Jô Soares

R$ 39,00

Indisponível

Companhia das Letras

O processo

Franz Kafka

R$ 67,90

Indisponível

Companhia das Letras

Um artista da fome / A construção

Franz Kafka

R$ 54,90

Suma

A guerra dos tronos

George R. R. Martin

R$ 92,90

Ficha Técnica

Título original: O homem que matou Getulio Vargas Páginas: 344 Formato: 14.00 X 21.00 cm Peso: 0.473 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 09/11/1998
ISBN: 978-85-7164-839-5 Selo: Companhia das Letras Ilustração:

SOBRE O LIVRO

Biografia de um anarquista fictício que, entre 1914 e 1954, percorre várias partes do mundo para cumprir uma gloriosa e desastrada missão: matar tiranos. Romance em que até a História (a verdadeira) parece coisa de humorista.

Biografia de um anarquista fictício que, entre 1914 e 1954, percorre várias partes do mundo para cumprir uma gloriosa e desastrada missão: matar tiranos. Romance em que até a História (a verdadeira) parece coisa de humorista.
Nome: Dimitri Borja Korozec. Filiação: pai sérvio, mãe brasileira. Marca de nascença: seis dedos em cada mão. Ideologia: algo assim como uma espécie de anarquismo. Profissão: assassino. Vítimas preferenciais: líderes políticos.
Ele é o homem certo: formou-se numa escola de assassinos altamente conceituada, tem uma pontaria extraordinária e está sempre disposto a dar cabo dos tiranos que infestam o mundo. Mas sofre de um problema crônico: é desastrado. Com ele não tem meio-termo: é tudo por um triz. Em 1914, por exemplo, na Europa, foi ele quem quase desencadeou a Primeira Guerra Mundial... E é sempre assim, negando fogo, que o anarquista Dimitri Borja Korozec participa ativamente de importantes episódios históricos e convive com estrelas como Mata Hari, Al Capone, Franklin Roosevelt e Getúlio Vargas, entre outros.
No Xangô de Baker Street, Jô Soares pintou e bordou com o gênero policial. Desta vez, o alvo escolhido são as biografias. Com sua inteligência fina e em permanente estado de alerta, também aqui ele mistura ficção e realidade e faz com que tudo neste romance pareça uma "sincronia arquitetada pelo acaso". O grande arquiteto do riso é ele mesmo - Jô Soares -, mas o leitor verá que às vezes a própria História - a verdadeira - também parece coisa de humorista.