Home | Livros | Companhia das Letras | RETRATO DO BRASIL
CLIQUE PARA AMPLIAR
Ler um trecho

RETRATO DO BRASIL

Paulo Prado

R$ 89,90

/ À vista

Apresentação

Retrato do Brasil (1928) é o celebrado e polêmico ensaio do principal organizador e financiador da Semana da Arte Moderna. Inaugurando um gênero que daria vasta prole entre a intelectualidade brasileira dos anos 1930 e 40 – o ensaio de interpretação do Brasil –, Prado fustigava os otimistas e apontava, com notável capacidade de evocação do passado, a origem histórica dos entraves que tolhiam o desenvolvimento da nação.

Frequentemente comprados juntos

Companhia das Letras

Retrato do Brasil

Paulo Prado

R$ 89,90

Companhia das Letras

1922

Marcos Augusto Gonçalves

R$ 89,90

Companhia das Letras

Raízes do Brasil

Sérgio Buarque de Holanda

R$ 59,42

Preço total de

R$ 239,22

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Companhia das Letras

Retrato do Brasil

Paulo Prado

R$ 52,90

Indisponível

Companhia das Letras

Paulística etc.

Paulo Prado

R$ 94,90

Companhia das Letras

Formação do Brasil contemporâneo

Prado Jr., Caio

R$ 94,90

Companhia das Letras

Modernismos 1922-2022

Gênese Andrade

R$ 159,90

Companhia das Letras

Modernidade em preto e branco

Rafael Cardoso

R$ 99,90

Companhia das Letras

Dialética da colonização

Alfredo Bosi

R$ 76,42

Companhia das Letras

Os anjos bons da nossa natureza

Steven Pinker

R$ 139,90

Companhia das Letras

Formação econômica do Brasil

Celso Furtado

R$ 80,91

Companhia das Letras

Evolução política do Brasil

Prado Jr., Caio

R$ 79,90

Ficha Técnica

Título original: Retrato do Brasil Páginas: 408 Formato: 14.00 X 21.00 cm Peso: 0.505 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 13/02/2012
ISBN: 978-85-3592-022-2 Selo: Companhia das Letras Ilustração:

SOBRE O LIVRO

Retrato do Brasil (1928) é o celebrado e polêmico ensaio do principal organizador e financiador da Semana da Arte Moderna. Inaugurando um gênero que daria vasta prole entre a intelectualidade brasileira dos anos 1930 e 40 – o ensaio de interpretação do Brasil –, Prado fustigava os otimistas e apontava, com notável capacidade de evocação do passado, a origem histórica dos entraves que tolhiam o desenvolvimento da nação.

O modernismo brasileiro muito deve à atuação francamente anticonformista de Paulo Prado. Herdeiro de uma das famílias mais ilustres de São Paulo, ainda moço completou sua formação intelectual em Paris. Bonito, elegante, rico, esportista e culto, o jovem Prado impressionou Eça de Queirós: "Menino, tu és uma perfeição humana!", exclamou o escritor português.
Nos anos 1920, para espantar o tédio da São Paulo provinciana, o então dirigente de um dos maiores grupos privados do país reunia em torno de uma mesa farta artistas que se projetavam, como Villa-Lobos, Di Cavalcanti e Brecheret, grupo esse que se destacaria na Semana de 1922, organizada graças ao estímulo desse discreto mecenas.
Bibliófilo apaixonado pelo período colonial, o já cinquentão Paulo Prado iniciou seus estudos do passado brasileiro sob a orientação do grande historiador Capistrano de Abreu, com quem recolheu documentos raros, e publicou e republicou relatos dos primeiros cronistas. Depois de lançar a coletânea de ensaios Paulística (1925) - reeditado pela Companhia das Letras em 2004 -, Prado arriscou uma empresa de maior envergadura: um ensaio interpretativo que fustigava o entusiasmo dos ufanistas e expunha as mazelas nacionais, acumuladas ao longo de quatrocentos anos de exploração, conformismo e desmandos. Assim surgia em 1928 o Retrato do Brasil. Numa época e num lugar em que os autores custeavam a edição de seus livros, que raramente tinham esgotadas suas modestas primeiras tiragens, Paulo Prado surpreendeu-se com o enorme sucesso de seu ensaio, que teve três impressões consecutivas.
Esquecido por mais de vinte anos, o livro foi reeditado em 1997, sob a coordenação de Carlos Augusto Calil. Também às vésperas do século XXI, o pequeno ensaio provou guardar seu potencial de motivar polêmicas, tendo gerado diversos artigos na imprensa. A presente edição - baseada na de 1997, que teve o texto minuciosamente revisto pelo organizador - foi complementada com resenhas que o livro recebeu nas últimas décadas. Foi também ampliada a coleção de cartas trocadas entre Paulo Prado e seus principais interlocutores, e incluída a seção "Outros retratos do Brasil", que reúne textos dispersos do autor de Paulística. O apelo veemente à modernização do Brasil e a denúncia dos males da política ainda hão de reverberar como questões candentes (e irresolutas) ao leitor de hoje.

Sobre o autor