Home | Livros | Companhia das Letras | FORMAÇÃO ECONÔMICA DO BRASIL
CLIQUE PARA AMPLIAR
Ler um trecho

FORMAÇÃO ECONÔMICA DO BRASIL

Celso Furtado

R$ 72,90

R$ 58,32

/ À vista

Apresentação

Escrito quando Celso Furtado estava na universidade de Cambridge, Formação econômica do Brasil pretendia ser uma introdução à história econômica do Brasil, um afresco, como disse o autor, em que cada segmento tivesse o valor de uma sugestão. O livro foi além. Tornou-se um clássico da historiografia econômica e das ciências sociais.

Frequentemente comprados juntos

Companhia das Letras

Formação econômica do Brasil

Celso Furtado

R$ 58,32

Companhia das Letras

Formação do Brasil contemporâneo

Prado Jr., Caio

R$ 72,90

Companhia das Letras

Raízes do Brasil

Sérgio Buarque de Holanda

R$ 50,32

Preço total de

R$ 181,54

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Quadrinhos na Cia

Grande sertão: veredas (Edição em quadrinhos)

João Guimarães Rosa

R$ 99,90

Indisponível

Companhia das Letras

Pálido ponto azul (Nova edição)

Carl Sagan

R$ 54,32

Companhia das Letras

O Brasil contra a democracia

Roberto Simon

R$ 117,90

Indisponível

Companhia das Letras

A revolução dos bichos

George Orwell

R$ 19,92

Companhia de Bolso

O queijo e os vermes

Carlo Ginzburg

R$ 38,17

Zahar

O Seminário, livro 11

Jacques Lacan

R$ 98,32

Companhia de Bolso

O mundo assombrado pelos demônios

Carl Sagan

R$ 43,92

Companhia das Letras

50 contos de Machado de Assis

Machado de Assis

R$ 62,32

Seguinte

Coração de tinta

Cornelia Funke

R$ 50,32

Companhia das Letras

Eu receberia as piores notícias dos seus lindos lábios

Marçal Aquino

R$ 54,32

Ficha Técnica

Título original: Formação econômica do Brasil Páginas: 352 Formato: 14.00 X 21.00 cm Peso: 0.433 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 12/02/2007
ISBN: 978-85-3590-952-4 Selo: Companhia das Letras Ilustração:

SOBRE O LIVRO

Escrito quando Celso Furtado estava na universidade de Cambridge, Formação econômica do Brasil pretendia ser uma introdução à história econômica do Brasil, um afresco, como disse o autor, em que cada segmento tivesse o valor de uma sugestão. O livro foi além. Tornou-se um clássico da historiografia econômica e das ciências sociais.

A tese de doutoramento sobre a economia colonial, defendida na Sorbonne em 1948, e o primeiro ensaio sobre a economia brasileira contemporânea, escrito no ano seguinte, são o ponto de partida do livro mais conhecido de Celso Furtado, publicado em 1959: Formação econômica do Brasil. Quando o escreveu, na Inglaterra, Furtado imaginava explicar o Brasil para os estrangeiros. Acabou explicando para os brasileiros.
O livro que se tornou um marco na historiografia econômica brasileira por pouco não existiria: o manuscrito enviado de Cambridge para a editora brasileira extraviou-se. Por sorte, o microfilme feito de última hora num equipamento precário pôde ser projetado: as quase trezentas páginas escritas à mão foram datilografadas, dessa vez com cópia.
Formação econômica do Brasil apoia-se numa visão derivada tanto da história como da economia. A combinação do método histórico com a análise econômica era, na época, uma novidade. Pela primeira vez, alguém no Brasil fazia historiografia econômica tendo uma sólida formação de economista. O texto se inicia com a análise da ocupação do território brasileiro, comparada também com as colônias do hemisfério norte e das Antilhas. Seguem-se os ciclos do açúcar, da pecuária, do ouro, a ascensão da economia cafeeira, e, no século XX, a crise da cafeicultura e a industrialização, cuja especificidade o autor trata com excepcional clareza.
Em paralelo aos cinco séculos de história econômica, Celso Furtado estuda a evolução da mão-de-obra no Brasil, desde a escravidão até o trabalho assalariado, o dos imigrantes europeus e dos migrantes internos. Na conclusão, aponta os dois desafios a serem enfrentados até o fim do século XX, que guardam plena atualidade: completar a industrialização do país e deter o processo das disparidades regionais.