CLIQUE PARA AMPLIAR
Ler um trecho
Previsão de reimpressão: 03/2024

Apresentação

Craque no jogo de vozes narrativas, Sérgio Rodrigues conta um drama entre pai e filho, recupera episódios sombrios da história recente do país e faz uma celebração do futebol raras vezes empreendida na literatura brasileira.

Frequentemente comprados juntos

Companhia das Letras

O drible

Sérgio Rodrigues

R$ 59,90

Companhia das Letras

Viva a língua brasileira!

Sérgio Rodrigues

R$ 67,90

Companhia das Letras

Léxico familiar

Natalia Ginzburg

R$ 59,90

Preço total de

R$ 187,70

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Companhia das Letras

Viva a língua brasileira!

Sérgio Rodrigues

R$ 67,90

Companhia das Letras

A visita de João Gilberto aos Novos Baianos

Sérgio Rodrigues

R$ 54,90

Companhia das Letras

O sol na cabeça

Geovani Martins

R$ 49,90

Indisponível

Companhia das Letras

A vida futura

Sérgio Rodrigues

R$ 64,90

Indisponível

Companhia das Letras

O drible (Edição especial de 10 anos)

Sérgio Rodrigues

R$ 99,90

Companhia das Letras

A maçã envenenada

Michel Laub

R$ 52,90

Companhia das Letras

Dando tratos à bola - Ensaios sobre futebol

Hilário Franco Júnior

R$ 72,90

Companhia das Letras

O avesso da pele - Vencedor Jabuti 2021

Jeferson Tenório

R$ 72,90

Ficha Técnica

Título original: O drible Páginas: 224 Formato: 14.00 X 21.00 cm Peso: 0.279 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 25/09/2013
ISBN: 978-85-3592-326-1 Selo: Companhia das Letras Ilustração:

SOBRE O LIVRO

Craque no jogo de vozes narrativas, Sérgio Rodrigues conta um drama entre pai e filho, recupera episódios sombrios da história recente do país e faz uma celebração do futebol raras vezes empreendida na literatura brasileira.

Desenganado pelos médicos, um cronista esportivo de oitenta anos, testemunha dos anos dourados do futebol brasileiro, tenta se reaproximar do filho com quem brigou há um quarto de século. Toda semana, em pescarias dominicais, Murilo Filho preenche com saborosas histórias dos craques do passado o abismo que o separa de Neto.
Revisor de livros de autoajuda, Neto leva uma vida medíocre colecionando quinquilharias dos anos 1970 e conquistando moças que trabalham no comércio perto de sua casa, no bairro carioca da Gávea. Desde os cinco anos, quando a mãe se suicidou, sente-se desprezado pelo pai famoso.
Como nos romances anteriores de Sérgio Rodrigues, há um contraponto de vozes narrativas. Entremeado com o relato principal, transcorre o livro que Murilo escreve sobre um extraordinário jogador dos anos 1960 chamado Peralvo, dotado de poderes sobrenaturais e que teria sido "maior que Pelé" se não tivesse encontrado um fim trágico.
A alternância entre o realismo da história de Neto, seco e desencantado, e o realismo mágico da história de Peralvo sinaliza a perícia de Sérgio Rodrigues, um dos narradores mais habilidosos de sua geração.
O personagem do velho cronista é o veículo de uma celebração da história do futebol raras vezes empreendida pela literatura brasileira. Murilo Filho, porém, é mais do que isso. Com atraso, como se tomasse um drible, Neto entrevê nas frestas da narrativa do pai - e o leitor, um pouco antes dele - um sombrio segredo de família e um episódio tenebroso dos porões da ditadura militar.

Sobre o autor