Home | Livros | Companhia das Letras | FEBRE DE BOLA
CLIQUE PARA AMPLIAR
Ler um trecho

FEBRE DE BOLA

Nick Hornby
Tradução: Christian Schwartz

R$ 62,90

/ À vista

Apresentação

Nas suas memórias de torcedor fanático, Nick Hornby conta como se tornou um apaixonado pelo futebol, o que a obsessão pelo time do Arsenal significou em suas escolhas e por que ele considera esse esporte uma metáfora perfeita da vida.

Frequentemente comprados juntos

Companhia das Letras

Febre de bola

Nick Hornby

R$ 62,90

Companhia das Letras

O drible

Sérgio Rodrigues

R$ 59,90

Companhia das Letras

Parque industrial

Pagu

R$ 49,90

Preço total de

R$ 172,70

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Objetiva

Escola brasileira de futebol

Paulo Vinícius Coelho (PVC)

R$ 57,90

Indisponível

Companhia das Letras

O drible

Sérgio Rodrigues

R$ 59,90

Indisponível

Companhia das Letras

Tempos vividos, sonhados e perdidos

Tostão

R$ 54,90

Companhia das Letras

Dando tratos à bola - Ensaios sobre futebol

Hilário Franco Júnior

R$ 72,90

Companhia das Letras

Confesso que perdi - Memórias

Juca Kfouri

R$ 54,90

Objetiva

Política, propina e futebol

Jamil Chade

R$ 59,90

Companhia das Letrinhas

Uma história de futebol

José Roberto Torero

R$ 57,90

Companhia das Letras

A verdadeira história do alfabeto

Noemi Jaffe

R$ 57,90

Indisponível

Ficha Técnica

Título original: Fever pitch Páginas: 352 Formato: 14.00 X 21.00 cm Peso: 0.427 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 16/07/2013
ISBN: 978-85-3592-301-8 Selo: Companhia das Letras Ilustração:

SOBRE O LIVRO

Nas suas memórias de torcedor fanático, Nick Hornby conta como se tornou um apaixonado pelo futebol, o que a obsessão pelo time do Arsenal significou em suas escolhas e por que ele considera esse esporte uma metáfora perfeita da vida.

Aos onze anos, Nick Hornby foi levado pelo pai para ver um jogo do Arsenal pela primeira vez. O jovem, então entristecido pela separação recente dos pais e assolado pelas incertezas com relação ao futuro da família, ficou fascinado. Descobriu um lugar e uma comunidade que, como ele, não estava muito preocupada em se divertir, mas compartilhava algo bastante diverso: "O sofrimento como entretenimento era uma ideia completamente nova pra mim, e parecia ser alguma coisa pela qual eu estava esperando". Dali em diante, Hornby nunca mais deixou de assistir, no estádio ou na tevê, a uma partida do Arsenal e atrelar aos sucessos e fracassos do time as respostas que buscava para a própria vida.
Publicado originalmente em 1992, o livro se estrutura a partir de datas e placares de
jogos ocorridos no intervalo de 24 anos, décadas que também marcaram a entrada gradual do autor na vida adulta e na literatura. O resultado são textos repletos de erudição e memória fotográfica, humor e uma sensação de que se está lendo o relato de uma obsessão incurável. Sem jamais cair num discurso esnobe - que diferencia os "pensadores" do futebol dos meros torcedores -, Hornby aborda com leveza e sinceridade temas espinhosos como a violência nos estádios, o surgimento dos hooligans e as relações ambíguas entre cartolas e torcida.
Como nos livros de ficção que viria a publicar mais tarde, aqui o autor já aponta seu plano literário, marcado por protagonistas que demoram a se despedir da adolescência para retardar a chegada à idade adulta, agarrando-se às expressões culturais de uma época que está prestes a terminar. Febre de bola venceu o William Hill Sports Book of the Year em 1992 e, em 2006, foi incluído no kit especial do sócio torcedor do Arsenal.

Com nova introdução do autor, comemorativa do vigésimo aniversário da edição do livro.

Sobre o autor