CLIQUE PARA AMPLIAR
Ler um trecho

R$ 57,90

/ À vista

Apresentação

Uma nova versão para a história de Robinson Crusoé, segundo um dos maiores nomes da literatura de nosso tempo.

Frequentemente comprados juntos

Companhia das Letras

Foe

J. M. Coetzee

R$ 57,90

Companhia das Letras

À espera dos bárbaros

J. M. Coetzee

R$ 54,90

Companhia das Letras

Diário de um ano ruim

J. M. Coetzee

R$ 62,90

Preço total de

R$ 175,70

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Companhia das Letras

À espera dos bárbaros

J. M. Coetzee

R$ 54,90

Companhia das Letras

Diário de um ano ruim

J. M. Coetzee

R$ 62,90

Companhia das Letras

A vida escolar de Jesus

J. M. Coetzee

R$ 58,32

Companhia das Letras

A infância de Jesus

J. M. Coetzee

R$ 51,92

Companhia das Letras

Elizabeth Costello

J. M. Coetzee

R$ 59,90

Indisponível

Companhia das Letras

O jogo da amarelinha

Julio Cortázar

R$ 99,92

Companhia das Letras

Homem lento

J. M. Coetzee

R$ 62,90

Indisponível

Companhia das Letras

Putas assassinas

Roberto Bolaño

R$ 59,90

Indisponível

Ficha Técnica

Título original: Foe Páginas: 144 Formato: 14.00 X 21.00 cm Peso: 0.219 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 08/04/2016
ISBN: 978-85-3592-692-7 Selo: Companhia das Letras Ilustração:

SOBRE O LIVRO

Uma nova versão para a história de Robinson Crusoé, segundo um dos maiores nomes da literatura de nosso tempo.

Neste clássico da literatura contemporânea, publicado originalmente em 1986, o prêmio Nobel J.M. Coetzee reinventa a história de Robinson Crusoé. No início do século XVIII, Susan Barton se vê à deriva após o navio em que viajava ser palco de um motim de marinheiros. Ao desembarcar em uma ilha deserta, encontra abrigo ao lado de seus únicos habitantes: um homem chamado Cruso e seu escravo Sexta-feira. Cruso é um sujeito irascível, preguiçoso e autoritário: perdeu interesse em fugir da ilha ou mesmo em rememorar os eventos que marcaram sua chegada àquele lugar. Sexta-feira, por sua vez, não pode falar: teve a língua cortada, não se sabe se por proprietários de escravos ou pelo próprio Cruso. Depois de um ano, eles são resgatados por um navio que rumava para a Inglaterra, mas apenas Susan e Sexta feira sobrevivem à viagem a Bristol. Determinada a contar sua história, ela busca um famoso escritor de seu tempo, Daniel Foe, na esperança de que ele escreva um livro sobre sua experiência na ilha. Mas com a morte de Cruso e a incapacidade de articulação de Sexta-feira, a tarefa se mostra mais difícil do que pensava. Vaidoso, Foe insiste em adaptar a narrativa a seus caprichos. Susan, por sua vez, tem de convencê-lo de que sua versão é melhor e luta para manter viva a memória de um passado do qual permanece como única testemunha - ou ao menos a única capaz de transformar aquela experiência em linguagem. Traiçoeiro, elegante e inesperadamente lírico, Foe é uma das obras de construção mais complexa na carreira de um mestre absoluto da literatura.

Sobre o autor