Home | Livros | Companhia das Letras | CÂMERA LENTA
CLIQUE PARA AMPLIAR
Ler um trecho

CÂMERA LENTA

Marília Garcia

R$ 47,90

/ À vista

Apresentação

Em seu quinto livro, uma das vozes mais originais da poesia contemporânea reflete sobre as múltiplas espirais da linguagem. Câmera lenta foi o vencedor do Prêmio Oceanos 2018.

Frequentemente comprados juntos

Companhia das Letras

Câmera lenta

Marília Garcia

R$ 47,90

Companhia das Letras

Risque esta palavra

Ana Martins Marques

R$ 52,90

Companhia das Letras

É agora como nunca

Adriana Calcanhotto (Org.)

R$ 34,93

Preço total de

R$ 135,73

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Companhia das Letras

O livro das semelhanças

Ana Martins Marques

R$ 59,90

Companhia das Letras

Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques

R$ 49,90

Indisponível

Companhia das Letras

Um útero é do tamanho de um punho

Angélica Freitas

R$ 37,90

Companhia das Letras

Júbilo, memória, noviciado da paixão

Hilda Hilst

R$ 31,92

Companhia das Letras

Coral e outros poemas

Sophia de Mello Breyner Andresen

R$ 72,90

Indisponível

Companhia das Letras

Poemas

Rainer Maria Rilke

R$ 49,90

Indisponível

Ficha Técnica

Título original: Câmera lenta Páginas: 104 Formato: 14.00 X 21.00 cm Peso: 0.153 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 17/08/2017
ISBN: 978-85-3592-955-3 Selo: Companhia das Letras Ilustração:

SOBRE O LIVRO

Em seu quinto livro, uma das vozes mais originais da poesia contemporânea reflete sobre as múltiplas espirais da linguagem. Câmera lenta foi o vencedor do Prêmio Oceanos 2018.

Em seu quinto livro, uma das vozes mais originais da poesia contemporânea reflete sobre as múltiplas espirais da linguagem. Câmera lenta foi o vencedor do Prêmio Oceanos 2018.

Depois de Teste de resistores (7letras, 2014), Marília Garcia dá continuidade à sua pesquisa sobre o processo poético. Na última parte de Câmera lenta, ela se dedica a uma profunda análise sobre sobre as hélices do avião. O poema, aqui, é o lugar para experimentar, exercitar o pensamento "ao vivo" e testar procedimentos novos, sempre em aberto. Para Italo Moriconi, que assina a orelha, trata-se de uma "poética desbravadora, sofisticada, antenada".

Sobre o autor