Home | Livros | Companhia das Letras | NÃO PARAREI DE GRITAR
CLIQUE PARA AMPLIAR
Ler um trecho

NÃO PARAREI DE GRITAR

Poemas reunidos

Carlos de Assumpção

R$ 57,90

/ À vista

Apresentação

Ao perfazer um arco de quase setenta anos de produção, Não pararei de gritar reúne poemas que tematizam, com coragem e urgência, a desigualdade racial brasileira.

Frequentemente comprados juntos

Companhia das Letras

Não pararei de gritar

Carlos de Assumpção

R$ 57,90

Companhia das Letras

É agora como nunca

Adriana Calcanhotto (Org.)

R$ 49,90

Companhia das Letras

Coral e outros poemas

Sophia de Mello Breyner Andresen

R$ 72,90

Preço total de

R$ 180,70

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Companhia das Letras

Pequeno manual antirracista

Djamila Ribeiro

R$ 39,90

Companhia das Letras

O avesso da pele - Vencedor Jabuti 2021

Jeferson Tenório

R$ 72,90

Companhia das Letras

Quem tem medo do feminismo negro?

Djamila Ribeiro

R$ 42,90

Companhia das Letras

O que ela sussurra

Noemi Jaffe

R$ 57,90

Objetiva

Na minha pele

Lázaro Ramos

R$ 57,90

Alfaguara

Redemoinho em dia quente

Jarid Arraes

R$ 57,90

Indisponível

Companhia das Letras

A obscena senhora D

Hilda Hilst

R$ 42,32

Companhia das Letras

Coral e outros poemas

Sophia de Mello Breyner Andresen

R$ 72,90

Indisponível

Ficha Técnica

Título original: Não pararei de gritar Páginas: 176 Formato: 14.00 X 21.00 cm Peso: 0.255 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 13/03/2020
ISBN: 978-85-3593-318-5 Selo: Companhia das Letras Capa: Alceu Chiesorin Nunes Ilustração:

SOBRE O LIVRO

Ao perfazer um arco de quase setenta anos de produção, Não pararei de gritar reúne poemas que tematizam, com coragem e urgência, a desigualdade racial brasileira.

"Senhores/ O sangue dos meus avós/ Que corre nas minhas veias/ São gritos de rebeldia", declara Carlos de Assumpção no emblemático "Protesto". Escrito em 1956, o poema causou furor quando foi apresentado ao público pela primeira vez, na Associação Cultural do Negro, em São Paulo. Seus versos reescrevem a diáspora africana e denunciam um Brasil que traz na sua origem as marcas da injustiça, da desigualdade e da discriminação social. Décadas mais tarde, sua atualidade se mantém.

Com dor e revolta, mas também com vitalidade e esperança na construção de um país mais justo, a poesia de Carlos de Assumpção é um testemunho poderoso sobre os tempos em que vivemos, um símbolo de luta contra o silenciamento e a opressão histórica.

Esta edição conta com organização e posfácio de Alberto Pucheu.



"Esta publicação mostra a potência de seguir os caminhos trilhados por quem já rompeu muitos silêncios. Além de um presente para as próximas gerações, é canção para sonhar liberdades." -- Djamila Ribeiro

Sobre o autor

Material para o professor