Home | Livros | Companhia das Letras | CANÇÕES DE ATORMENTAR
CLIQUE PARA AMPLIAR
Ler um trecho

CANÇÕES DE ATORMENTAR

Angélica Freitas

R$ 57,90

/ À vista

Apresentação

O terceiro e aguardado livro de uma das principais vozes da poesia brasileira.

Frequentemente comprados juntos

Companhia das Letras

Canções de atormentar

Angélica Freitas

R$ 57,90

Companhia de Bolso

Rilke Shake

Angélica Freitas

R$ 37,90

Companhia das Letras

Risque esta palavra

Ana Martins Marques

R$ 52,90

Preço total de

R$ 148,70

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Companhia das Letras

O avesso da pele - Vencedor Jabuti 2021

Jeferson Tenório

R$ 72,90

Companhia das Letras

Um útero é do tamanho de um punho

Angélica Freitas

R$ 37,90

Companhia das Letras

A vida não é útil

Ailton Krenak

R$ 42,90

Indisponível

Companhia das Letras

Pequena coreografia do adeus

Aline Bei

R$ 62,90

Companhia das Letras

O livro das semelhanças

Ana Martins Marques

R$ 59,90

Indisponível

Companhia das Letras

Para o meu coração num domingo

Wislawa Szymborska

R$ 66,32

Companhia das Letras

Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques

R$ 49,90

Indisponível

Zahar

Um apartamento em Urano

Paul B. Preciado

R$ 77,90

Zahar

Por um feminismo afro-latino-americano

Lélia Gonzalez

R$ 50,32

Ficha Técnica

Páginas: 112 Formato: 14.00 X 21.00 cm Peso: 0.163 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 05/08/2020
ISBN: 978-85-3593-351-2 Selo: Companhia das Letras Capa: Ale Kalko Ilustração:

SOBRE O LIVRO

O terceiro e aguardado livro de uma das principais vozes da poesia brasileira.

Oito anos depois da publicação do já célebre Um útero é do tamanho de um punho – lançado em 2012 pela Cosac Naify e reeditado em 2017 pela Companhia das Letras –, Canções de atormentar traz o olhar afiado de uma poeta que, com inteligência e ironia, observa a si e ao mundo. Os poemas rememoram a infância no Sul, com o pé de araçá plantado pela avó, relatam o esforço inútil de tentar compreender o Brasil de hoje e discutem a injustiça, o machismo e a nostalgia de uma nação que não passou de projeto.
Em "porto alegre, 2016", que trata da migração e dos protestos nas ruas, violentamente refreados pela ordem pública, a poeta escreve: "agora a colher cai da boca/ e o barulho de bomba é ali fora/ e a polícia vai pra cima dos teus afetos/ munida de espadas, sobre cavalos". Canções de atormentar reúne poemas ora ferozes, ora desiludidos, sem nunca perder de vista a urgência, a vivacidade, o humor e o tom incisivo que consagraram Angélica como um dos nomes mais originais da literatura contemporânea.

Sobre o autor