CLIQUE PARA AMPLIAR

A FEBRE

Marcelo Ferroni

R$ 74,90

R$ 63,67

/ À vista

Apresentação

Em uma noite sinistra, os traumas da ditadura brasileira são revisitados em um apartamento da Zona Sul do Rio de Janeiro, quando dois irmãos precisam cuidar do patriarca, Abel, cujos segredos da época da repressão voltam a assombrar a nova geração.

Frequentemente comprados juntos

Companhia das Letras

A febre

Marcelo Ferroni

R$ 63,67

Companhia das Letras

Montevidéu

Enrique Vila-Matas

R$ 99,90

Alfaguara

Onde os velhos não têm vez (Nova edição)

Cormac McCarthy

R$ 79,90

Preço total de

R$ 243,47

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Companhia das Letras

Trilogia de Copenhagen

Tove Ditlevsen

R$ 79,90

Companhia das Letras

Admirável novo mundo

Bernardo Esteves

R$ 104,90

Companhia das Letras

É a Ales - Autor vencedor do Nobel de literatura 2023

Jon Fosse

R$ 64,90

Alfaguara

Onde os velhos não têm vez (Nova edição)

Cormac McCarthy

R$ 79,90

Objetiva

A menina que não sabia odiar

Lidia Maksymowicz Paolo Rodari

R$ 59,90

Alfaguara

Café Majestic

Stéfanie Sande

R$ 59,42

Companhia das Letras

Nasci na América...

Italo Calvino

R$ 169,90

Ficha Técnica

Páginas: 192 Formato: 14.00 X 21.00 cm Peso: 0.245 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 04/10/2023
ISBN: 978-85-3593-548-6 Selo: Companhia das Letras Capa: Elisa von Randow Ilustração:

SOBRE O LIVRO

Em uma noite sinistra, os traumas da ditadura brasileira são revisitados em um apartamento da Zona Sul do Rio de Janeiro, quando dois irmãos precisam cuidar do patriarca, Abel, cujos segredos da época da repressão voltam a assombrar a nova geração.

A epidemia de covid-19 esvaziou as ruas do Rio de Janeiro, e o risco da doença serve de desculpa para que a madrasta de Marco o telefone pedindo um favor: passar uma noite no apartamento requintado de seu pai, Abel, que se encontra acamado e não pode ficar a sós.
Assim começa a narrativa intensa de A febre, retorno de Marcelo Ferroni à literatura de terror. O que poderia ser cenário de um acerto de contas realista entre duas gerações -- a de um pai orgulhoso de sua participação no regime militar com a de um filho que buscou abandonar o passado -- logo ganha contornos sobrenaturais.
Ao aliar precisão literária com um apreço pela potencialidade da ambientação da casa mal-assombrada, o autor faz de A febre uma alegoria pungente de um Brasil com muitos esqueletos no armário ansiando em ver a luz do dia.