Home | Livros | Companhia das Letras | MONTEVIDÉU
CLIQUE PARA AMPLIAR

MONTEVIDÉU

Enrique Vila-Matas
Tradução: Júlio Pimentel Pinto

R$ 99,90

/ À vista

Apresentação

Do premiado autor de Bartleby e companhia, Montevidéu é um tratado sobre como o real e o imaginário podem se mesclar até o ponto em que se tornam uma coisa só.

Frequentemente comprados juntos

Companhia das Letras

Montevidéu

Enrique Vila-Matas

R$ 99,90

Alfaguara

Onde os velhos não têm vez (Nova edição)

Cormac McCarthy

R$ 74,90

Companhia das Letras

A febre

Marcelo Ferroni

R$ 74,90

Preço total de

R$ 249,70

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Companhia das Letras

Trilogia de Copenhagen

Tove Ditlevsen

R$ 79,90

Companhia das Letras

É a Ales - Autor vencedor do Nobel de literatura 2023

Jon Fosse

R$ 64,90

Alfaguara

Onde os velhos não têm vez (Nova edição)

Cormac McCarthy

R$ 74,90

Indisponível

Companhia das Letras

Sempre Paris

Rosa Freire d'Aguiar

R$ 89,90

Indisponível

Companhia das Letras

Admirável novo mundo

Bernardo Esteves

R$ 104,90

Suma

O labirinto da morte

Philip K. Dick

R$ 79,90

Penguin-Companhia

Metamorfoses

Ovídio

R$ 79,90

Companhia das Letras

Nasci na América...

Italo Calvino

R$ 169,90

Ficha Técnica

Páginas: 240 Formato: 14.00 X 21.00 cm Peso: 0.301 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 11/10/2023
ISBN: 978-85-3593-565-3 Selo: Companhia das Letras Capa: Bloco Gráfico Ilustração:

SOBRE O LIVRO

Do premiado autor de Bartleby e companhia, Montevidéu é um tratado sobre como o real e o imaginário podem se mesclar até o ponto em que se tornam uma coisa só.

"Um dia irei a Montevidéu e procurarei o quarto do segundo andar no hotel Cervantes, e será uma viagem real ao lugar exato do fantástico, talvez o lugar exato da estranheza", escreve o narrador deste romance, após ler o célebre conto de Julio Cortázar, "A porta condenada", em que num quarto de hotel na capital uruguaia uma porta parece separar o mundo real do da ficção. Depois da morte do pai e ao abandonar de vez a literatura, o protagonista deste livro se torna obcecado por imagens de portas -- e tudo o que carregam como sinais de passagem e trânsito entre realidades distintas. Ao se deslocar por cidades como Paris,  Reykjavik, Cascais, St. Gallen e Bogotá, o que busca o narrador, mesmo sem saber, é o impulso necessário para voltar a escrever. Assim, Enrique Vila-Matas nos lança no labirinto de uma espécie de manual de teoria literária que aponta para a dissolução dos gêneros e para o caráter extraordinário dos textos híbridos, que mesclam ficção, crônica, ensaio, e se situam na fronteira -- separados apenas por uma porta num segundo andar de um enigmático hotel no coração de Montevidéu.


"Com Enrique Vila-Matas só é preciso deixar-se levar porque estamos nas mãos de um mestre." -- Paul Auster


"Um livro que te arrasta e faz com que o lápis trema ao sublinhar frases sobre as contradições da literatura." -- La Vanguardia


"Sua obra mais profunda." -- El País

Sobre o autor