Home | Livros | Zahar | A PARTE OBSCURA DE NÓS MESMOS
CLIQUE PARA AMPLIAR

A PARTE OBSCURA DE NÓS MESMOS

Uma história dos perversos

Elisabeth Roudinesco

Frequentemente comprados juntos

Zahar

A parte obscura de nós mesmos

Elisabeth Roudinesco

R$ 82,90

Zahar

Por que repetimos os mesmos erros

J.-D. Nasio

R$ 67,90

Zahar

Dicionário amoroso da psicanálise

Elisabeth Roudinesco

R$ 104,90

Preço total de

R$ 255,70

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Zahar

Por que repetimos os mesmos erros

J.-D. Nasio

R$ 67,90

Zahar

Dicionário amoroso da psicanálise

Elisabeth Roudinesco

R$ 104,90

Zahar

Sigmund Freud na sua época e em nosso tempo

Elisabeth Roudinesco

R$ 117,90

Zahar

Por que a psicanálise?

Elisabeth Roudinesco

R$ 72,90

Zahar

Sim, a psicanálise cura!

J.-D. Nasio

R$ 67,90

Zahar

Lições sobre os 7 conceitos cruciais da psicanálise

J.-D. Nasio

R$ 82,90

Zahar

Édipo ao pé da letra

Antonio Quinet

R$ 82,90

Zahar

Os outros em Lacan

Antonio Quinet

R$ 49,90

Indisponível

Zahar

Como ler Lacan

Slavoj Zizek

R$ 82,90

Zahar

Fundamentos da psicanálise de Freud a Lacan - vol. 2

Marco Antonio Coutinho Jorge

R$ 84,90

Indisponível

Zahar

Introdução às obras de Freud, Ferenczi, Groddeck, Klein, Winnicott, Dolto, Lacan

J.-D. Nasio

R$ 104,90

Zahar

O eu soberano

Elisabeth Roudinesco

R$ 89,90

Ficha Técnica

Páginas: 224 Formato: 14.00 X 21.00 cm Peso: 0.326 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 09/06/2008
ISBN: 978-85-3780-081-2 Selo: Zahar Ilustração:

SOBRE O LIVRO

"Ler Roudinesco é uma tarefa urgente." Catherine Clément, Le Magazine Littéraire
Príncipe dos perversos, marquês de Sade defendia uma ruptura com as leis que regem a sociedade ao divulgar em seus livros a sodomia, o incesto e o crime. Rudolf Höss, o comandante de Auschwitz, contou sem reservas como se tornou o maior chacinador de todos os tempos. Liduína de Schiedam, canonizada em 1890, por décadas impôs a seu corpo terríveis sofrimentos.
Nesse livro, a prestigiada historiadora e psicanalista Elisabeth Roudinesco apresenta e interpreta a história dos perversos no Ocidente através de suas figuras emblemáticas: de Barba Azul e os santos místicos na Idade Média, ao fenômeno do nazismo, dos pedófilos e terroristas nos dias de hoje.
Mostra como a perversão, definida em cada época de um modo diverso, exibe o que não cessamos de dissimular: a parte obscura de nós mesmos, a negatividade presente em cada um. E ainda reflete sobre a sua erradicação. Eliminar a perversão não seria destruir a distinção entre bem e mal que fundamenta a civilização?

Sobre o autor