Home | Livros | Zahar | RETROTOPIA
CLIQUE PARA AMPLIAR

RETROTOPIA

Zygmunt Bauman

R$ 67,90

/ À vista

Frequentemente comprados juntos

Zahar

Retrotopia

Zygmunt Bauman

R$ 67,90

Zahar

Modernidade líquida (Nova edição)

Zygmunt Bauman

R$ 82,90

Zahar

Amor líquido (Nova edição)

Zygmunt Bauman

R$ 72,90

Preço total de

R$ 223,70

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Zahar

Estranhos à nossa porta

Zygmunt Bauman

R$ 67,90

Zahar

Nascidos em tempos líquidos

Zygmunt Bauman Thomas Leoncini

R$ 54,90

Indisponível

Zahar

O elogio da literatura

Zygmunt Bauman Riccardo Mazzeo

R$ 67,90

Zahar

A riqueza de poucos beneficia todos nós?

Zygmunt Bauman

R$ 67,90

Zahar

O retorno do pêndulo

Zygmunt Bauman Gustavo Dessal

R$ 67,90

Zahar

A cultura no mundo líquido moderno

Zygmunt Bauman

R$ 67,90

Indisponível

Zahar

Modernidade líquida (Nova edição)

Zygmunt Bauman

R$ 82,90

Indisponível

Zahar

Vigilância líquida

Zygmunt Bauman David Yoon

R$ 72,90

Zahar

Mal líquido

Zygmunt Bauman Leonidas Donskis

R$ 67,90

Indisponível

Zahar

Cegueira moral

Zygmunt Bauman Leonidas Donskis

R$ 77,90

Indisponível

Zahar

Capitalismo parasitário

Zygmunt Bauman

R$ 57,90

Ficha Técnica

Páginas: 168 Formato: 14.00 X 21.00 cm Peso: 0.244 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 09/11/2017
ISBN: 978-85-3781-712-4 Selo: Zahar Ilustração:

SOBRE O LIVRO

De volta ao passado na era da nostalgia

Decorrente da crise dos Estados-nação e do abismo cada vez maior entre poder e política, a retrotopia é a utopia do passado. Vivemos a perda completa da esperança de alcançar a felicidade em algum lugar idealizado no futuro - como a famosa ilha Utopia imaginada por Thomas More -, o que leva a uma glorificação de práticas e projetos de tempos passados.

Esse é o último livro de Bauman, o grande pensador da modernidade líquida, falecido em janeiro de 2017.Retrotopiadisseca o fenômeno atual de busca por um mundo melhor não mais no futuro a ser construído, mas em ideias e ideais do passado, como nacionalismos exacerbados e fechamento de fronteiras.

Assim, a nostalgia se transformou em um mecanismo de defesa nos últimos tempos. Grandes planos do passado - abandonados, mas não mortos - estão sendo ressuscitados e reabilitados como possíveis caminhos para um mundo melhor.