Home | Livros | Seguinte | UMA GARRAFA NO MAR DE GAZA
CLIQUE PARA AMPLIAR
Ler um trecho

UMA GARRAFA NO MAR DE GAZA

Valérie Zenatti
Tradução: Julia da Rosa Simões

Apresentação

Tal é uma israelense que, como toda garota de dezessete anos, vive suas primeiras experiências - o primeiro amor, o primeiro trabalho e também o primeiro atentado. Depois de presenciar a explosão de um café em seu bairro, Tal decide escrever uma carta a um palestino imaginário e lançá-la ao mar. Algumas semanas depois, ela recebe a resposta de um certo "Gazaman"...

Frequentemente comprados juntos

Seguinte

Uma garrafa no mar de Gaza

Valérie Zenatti

R$ 54,90

Quadrinhos na Cia

Anne Frank -- A biografia ilustrada

Sid Sid Jacobson

R$ 57,90

Brinque-Book

Se eu tivesse asas

Guilherme Karsten

R$ 49,90

Preço total de

R$ 162,70

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Quadrinhos na Cia

Anne Frank -- A biografia ilustrada

Sid Sid Jacobson

R$ 57,90

Indisponível

Quadrinhos na Cia

Persépolis (completo)

Marjane Satrapi

R$ 74,90

Companhia das Letrinhas

Minha querida assombração

Reginaldo Prandi

R$ 52,90

Boa Companhia

Uma mulher chamada guitarra

Vinicius de Moraes

R$ 44,90

Companhia das Letrinhas

Os lohip-hopbatos em a guerra da rua dos siamipês

Flavio de Souza

R$ 49,90

Indisponível

Seguinte

Cartas de amor aos mortos

Ava Dellaira

R$ 54,90

Seguinte

Eu sou Malala (Edição juvenil)

Malala Yousafzai Patricia McCormick

R$ 54,90

Quadrinhos na Cia

A revolução dos bichos (Edição em quadrinhos)

George Orwell

R$ 74,90

Ficha Técnica

Páginas: 128 Formato: 14.00 X 21.00 cm Peso: 0.191 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 12/11/2012
ISBN: 978-85-6576-502-2 Selo: Seguinte Ilustração:

SOBRE O LIVRO

Tal é uma israelense que, como toda garota de dezessete anos, vive suas primeiras experiências - o primeiro amor, o primeiro trabalho e também o primeiro atentado. Depois de presenciar a explosão de um café em seu bairro, Tal decide escrever uma carta a um palestino imaginário e lançá-la ao mar. Algumas semanas depois, ela recebe a resposta de um certo "Gazaman"...

Um homem-bomba se explodiu dentro de um café em Jerusalém. Seis corpos foram encontrados. Uma garota, que se casaria naquele dia, morreu junto com o pai "algumas horas antes de vestir seu lindo vestido branco". E Tal não consegue parar de pensar em tudo isso. Depois de ouvir o estrondo de dentro da própria casa, ela escuta as conversas ao redor, vê as imagens do desastre na TV - o noivo desconsolado, a mãe arrasada, a família em prantos - e se pergunta sobre todas as outras mortes e todas as outras famílias que sofreram com tantos atentados que parecem não ter fim.
Quem será a próxima vítima? E se fosse você? O que faria hoje se soubesse que sua vida acabaria amanhã? E se seu pai, sua mãe, seu namorado e sua melhor amiga morressem de uma hora para outra? Cheia de perguntas na cabeça, Tal começa a escrever - ela, que ainda não tinha decidido se seria cineasta ou pediatra, mas nunca tinha cogitado ser escritora...
E então, numa aula de biologia qualquer, a menina percebe que aquilo que era só um desabafo na verdade deveria ser uma carta - com suas perguntas, seus anseios e sua história -, escrita especialmente para alguém da faixa de Gaza, de preferência do sexo feminino e que também tivesse dezessete anos. Assim, Tal coloca todos os seus pensamentos em uma garrafa e pede ao irmão, que prestava o serviço militar perto de Gaza, para lançá-la ao mar naquela região.
E quem estava do lado de lá para recebê-la era não uma jovem de "longos cabelos escuros", mas um certo Gazaman, um garoto que teimava em revelar a sua identidade porque, ao contrário dela, já não acreditava numa solução possível em terras em que "uma explosão significa necessariamente um atentado".
Mas aos poucos aquilo que era raiva, amargura e descrença vai se transformando em amizade e alguma remota esperança de que, algum dia, mais cartas e e-mails sejam trocados e conversas francas como a deles possam trazer a paz para mais perto dos palestinos e israelenses.

Sobre o autor

Vídeo