Home | Livros | Zahar | APOLOGIA DA HISTÓRIA
CLIQUE PARA AMPLIAR

APOLOGIA DA HISTÓRIA

Ou o ofício do historiador

Marc Bloch

R$ 79,90

/ À vista

Frequentemente comprados juntos

Zahar

Apologia da história

Marc Bloch

R$ 79,90

Companhia de Bolso

O queijo e os vermes

Carlo Ginzburg

R$ 46,67

Companhia de Bolso

Sobre história

Eric Hobsbawm

R$ 64,90

Preço total de

R$ 191,47

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Companhia das Letrinhas

Capitão Cueca e a tirânica retaliação da Privada Turbo 2000

Dav Pilkey

R$ 59,90

Portfolio-Penguin

O estado empreendedor

Mariana Mazzucato

R$ 89,90

Paralela

Depois do sim

Taylor Jenkins Reid

R$ 64,90

Suma

Billy Summers

Stephen King

R$ 99,90

Companhia das Letrinhas

Soltei o Pum na banheira (Livro de banho)

Blandina Franco

R$ 59,90

Zahar

Drogas para adultos

Carl Hart

R$ 89,90

Companhia das Letras

Sejamos todos feministas: Planner 2021

Chimamanda Ngozi Adichie

R$ 69,90

Companhia das Letras

Casa de alvenaria - Volume 2: Santana

Carolina Maria de Jesus

R$ 59,42

Companhia das Letras

Metrópole à beira-mar

Ruy Castro

R$ 109,90

Alfaguara

Morte e vida Severina

João Cabral de Melo Neto

R$ 69,90

Zahar

Fundamentos da psicanálise de Freud a Lacan - vol. 2

Marco Antonio Coutinho Jorge

R$ 89,90

Indisponível

Ficha Técnica

Páginas: 160 Formato: 16.00 X 23.00 cm Peso: 0.252 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 05/02/2002
ISBN: 978-85-7110-609-3 Selo: Zahar Ilustração:

SOBRE O LIVRO

Fuzilado pelos nazistas em 16 de junho de 1944 próximo a Lyon, Marc Bloch deixava inacabado um livro de metodologia, Apologia da história - publicado pela primeira vez em 1949 por Lucien Febvre. Essa nova edição da obra póstuma de Marc Bloch, organizada e anotada por seu filho primogênito Étienne, apresenta o texto em sua integralidade e sem modificação alguma.
Inclui também o prefácio de Jacques Le Goff à edição francesa e uma apresentação à edição brasileira, feita pela professora Lilia Moritz Schwarcz.
Como ponto de partida, Bloch aproveita a interrogação de um filho que lhe pergunta para que serve a história. Essa confidência familiar já revela de saída o cerne de uma de suas convicções: a obrigação de o historiador difundir e esclarecer. Ele deve, nas palavras do autor, "saber falar, no mesmo tom, aos doutos e aos estudantes". Um livro que permanece hoje em dia - quando o jargão hermético invadiu tantos livros de história - de uma atualidade espantosa.
"Esse livro inacabado é um ato completo de história." Jacques Le Goff

Sobre o autor