CLIQUE PARA AMPLIAR
Ler um trecho

ROMANCE

História de uma ideia

Julián Fuks

R$ 74,90

/ À vista

Apresentação

O premiado autor de A resistência faz uma revisão crítica da trajetória do gênero romance ao longo de seus supostos quatro séculos de existência.

Frequentemente comprados juntos

Companhia das Letras

Romance

Julián Fuks

R$ 74,90

Companhia das Letras

A ocupação

Julián Fuks

R$ 59,90

Companhia das Letras

Pequena coreografia do adeus

Aline Bei

R$ 64,90

Preço total de

R$ 199,70

Adicionar ao carrinho
O último gozo do mundo

Companhia das Letras

O último gozo do mundo

Bernardo Carvalho

R$ 64,90

Nada vai acontecer com você

Companhia das Letras

Nada vai acontecer com você

Simone Campos

R$ 69,90

Pequena coreografia do adeus

Companhia das Letras

Pequena coreografia do adeus

Aline Bei

R$ 64,90

Ada ou ardor

Alfaguara

Ada ou ardor

Vladimir Nabokov

R$ 119,90

A palavra que resta

Companhia das Letras

A palavra que resta

Stênio Gardel

R$ 69,90

O outono da Idade Média (Nova edição)

Penguin-Companhia

O outono da Idade Média (Nova edição)

Johan Huizinga

R$ 72,17

Ficha Técnica

Páginas: 216 Formato: 14.00 X 21.00 cm Peso: 0.269 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 14/05/2021
ISBN: 978-65-5921-037-4 Selo: Companhia das Letras Capa: Bloco Gráfico Ilustração:

SOBRE O LIVRO

O premiado autor de A resistência faz uma revisão crítica da trajetória do gênero romance ao longo de seus supostos quatro séculos de existência.

Para abarcar algo tão vago e tão vasto quanto a história de um gênero literário, Julián Fuks definiu como objeto deste livro ensaístico não o romance em si, mas a ideia abstrata de romance, tal como proposta por uma série de romancistas canônicos em ensaios, prefácios, cartas, biografias, testemunhos, entrevistas e em algumas passagens de suas ficções. Defoe, Prévost, Fielding, Goethe, Flaubert, Dostoiévski, Proust, Joyce, Woolf, Beckett, Macedonio Fernández, Cortázar, García Márquez, Vargas Llosa, Coetzee e Sebald são alguns dos nomes revisitados.
A obra se estrutura numa sequência de ensaios que passam pela duvidosa ascensão do gênero, em um tempo exato e espaço restrito, pelo seu questionável apogeu, seguido da tão falada crise do romance, para, enfim, chegar nas marcas já perceptíveis de uma reascensão. Fuks não pretende aqui escrever a (impossível) história do romance, mas sim a fazer "o comentário possível sobre uma história que outros já tentaram contar algumas vezes".

Sobre o autor