Home | Livros | Companhia das Letras | AQUELE MUNDO DE VASABARROS
CLIQUE PARA AMPLIAR

AQUELE MUNDO DE VASABARROS

José J. Veiga

R$ 69,90

R$ 59,42

/ À vista

Apresentação

Sob o regime dos Simpatia -- família no poder há sete séculos --, Vasabarros é uma cidade triste, cinza e hostil. Lá, a submissão parece ser a única forma de sobrevivência.

Frequentemente comprados juntos

Companhia das Letras

Aquele mundo de Vasabarros

José J. Veiga

R$ 59,42

Companhia das Letras

Latim em pó

Caetano W. Galindo

R$ 50,92

Alfaguara

Stella Maris

Cormac McCarthy

R$ 69,90

Preço total de

R$ 180,24

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Ficha Técnica

Páginas: 208 Formato: 13.70 X 21.00 cm Peso: 0.26 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 06/01/2023
ISBN: 978-65-5921-380-1 Selo: Companhia das Letras Capa: Kiko Farkas Ilustração:

SOBRE O LIVRO

Sob o regime dos Simpatia -- família no poder há sete séculos --, Vasabarros é uma cidade triste, cinza e hostil. Lá, a submissão parece ser a única forma de sobrevivência.

Mistura de distopia e de resposta à brutalidade da ditadura, Vasabarros é alegoria de uma sociedade dominada pela burocracia e pelo autoritarismo. Lá, as regras são seguidas a ferro e fogo, e as palavras de ordem são vigilância, hierarquia, punição e temor.
Sétimo livro do autor, Aquele mundo de Vasabarros foi lançado em 1982 e recebeu, no ano seguinte, o prêmio Jabuti na categoria romance. A trama faz parte do que especialistas identificam como "ciclo sombrio" de José J. Veiga: depois de A hora dos ruminantes (1966), Sombra de reis barbudos (1972) e Os pecados da tribo (1976), esta obra do escritor goiano retorna a um cenário oprimido por poderes atrozes e descomunais.
Sob o regime da família Simpatia, a população de Vasabarros se divide em andares, que reproduzem a estratificação social: no primeiro nível estão os funcionários do primeiro escalão, no segundo vivem os membros da Simpatia e no terceiro moram os pobres e marginalizados. Em Vasabarros, há também os merdecas e mijocas, alcunha para os vigias e oficiais responsáveis pela manutenção da disciplina.


"Um convite para o leitor se posicionar perante os fatos de modo crítico, analisar a trama e perceber um jogo de forças de poder usurpando a condição humana de liberdade." -- Agostinho Potenciano de Souza

Sobre o autor