Home | Livros | Zahar | A DÍVIDA IMPAGÁVEL
CLIQUE PARA AMPLIAR

A DÍVIDA IMPAGÁVEL

Uma crítica feminista, racial e anticolonial do capitalismo

Denise Ferreira da Silva
Tradução: Nathalia Silva Carneiro, Viviane Nogueira, Jéfferson Luiz da Silva, Roger Farias de Melo e Nicolau Gayão

R$ 119,90

/ À vista
ou em até 2x no crédito de R$ 59,95

Apresentação

A dívida impagável implode o edifício da filosofia ocidental e nos oferece não apenas um instrumental teórico, mas também uma fabulosa metodologia expositiva para examinar a modernidade e o capitalismo. É um extraordinário exercício de imaginação crítica.

Você pode gostar também de

Companhia das Letras

O país dos privilégios - Volume 1

Bruno Carazza

R$ 94,90

Zahar

Alguma vez é só sexo?

Darian Leader

R$ 99,90

Companhia das Letras

O gosto da guerra (Edição revista e ampliada)

José Hamilton Ribeiro

R$ 99,90

Zahar

O homem não existe

Ligia Gonçalves Diniz

R$ 89,90

Companhia das Letras

Eu vou, tu vais, ele vai

Jenny Erpenbeck

R$ 109,90

Zahar

Iguais e diferentes

Regina Madalozzo

R$ 89,90

Companhia das Letras

O ouvidor do Brasil

Ruy Castro

R$ 69,90

Alfaguara

O comprometido

Viet Thanh Nguyen

R$ 119,90

Companhia das Letras

Big Loura e outras histórias de Nova York (Nova edição)

Dorothy Parker

R$ 79,90

Ficha Técnica

Título original: Unpayable Debt Páginas: 400 Formato: 14.00 X 21.00 cm Peso: 0.49 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 16/05/2024
ISBN: 978-65-5979-164-4 Selo: Zahar Capa: Celso Longo e Daniel Trench Ilustração:

SOBRE O LIVRO

A dívida impagável implode o edifício da filosofia ocidental e nos oferece não apenas um instrumental teórico, mas também uma fabulosa metodologia expositiva para examinar a modernidade e o capitalismo. É um extraordinário exercício de imaginação crítica.

A dívida impagável examina as relações entre colonialidade, racialidade e capital global a partir de uma perspectiva feminista negra inspirada no romance de ficção científica de Octavia E. Butler, Kindred: laços de sangue, no qual uma escritora afro-americana é transportada de volta aos tempos da escravidão com a missão de salvar seu proprietário-ancestral. Denise Ferreira da Silva expõe o capital como arquitetura jurídica e gramática ética de um mundo que segue produzindo normas, pensamentos e sentimentos cujo papel é garantir que o exercício da violência e da dominação de pessoas brancas contra pessoas racializadas nunca perca sua legitimidade e eficácia.
Como resultado, ela ativa a possibilidade de contemplarmos um programa ético no qual um termo emerge com força: justiça. E aqui esta palavra tem o significado bastante preciso de descolonização como restauração do valor total expropriado de terras indígenas e corpos de pessoas escravizadas -- a dívida impagável.

Sobre o autor