CLIQUE PARA AMPLIAR

A ILHA

Um repórter brasileiro no país de Fidel Castro

Fernando Morais

R$ 67,90

/ À vista

Apresentação

Lançada em 1976, esta reportagem sobre a pequena Cuba tornou-se um dos maiores sucessos editoriais brasileiros e se converteu num ícone da esquerda brasileira nos anos 70. Reedição com caderno de fotos e prefácio em que Morais apresenta suas impressões sobre a ilha um quarto de século depois da primeira viagem.

Frequentemente comprados juntos

Companhia das Letras

A ilha

Fernando Morais

R$ 67,90

Companhia das Letras

A queda do céu

Davi Kopenawa e Bruce Albert

R$ 82,32

Companhia das Letras

Os últimos soldados da guerra fria

Fernando Morais

R$ 67,90

Preço total de

R$ 218,12

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Companhia das Letras

Os últimos soldados da guerra fria

Fernando Morais

R$ 67,90

Companhia das Letras

Corações sujos

Fernando Morais

R$ 57,90

Indisponível

Companhia das Letras

Cem quilos de ouro

Fernando Morais

R$ 72,90

Companhia das Letras

A vida não é útil

Ailton Krenak

R$ 34,32

Zahar

Por um feminismo afro-latino-americano

Lélia Gonzalez

R$ 50,32

Companhia das Letras

Grande sertão: veredas

João Guimarães Rosa

R$ 99,90

Companhia das Letras

Pequena coreografia do adeus

Aline Bei

R$ 62,90

Ficha Técnica

Título original: A ilha Páginas: 264 Formato: 14.00 X 21.00 cm Peso: 0.348 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 23/05/2001
ISBN: 978-85-3590-130-6 Selo: Companhia das Letras Ilustração:

SOBRE O LIVRO

Lançada em 1976, esta reportagem sobre a pequena Cuba tornou-se um dos maiores sucessos editoriais brasileiros e se converteu num ícone da esquerda brasileira nos anos 70. Reedição com caderno de fotos e prefácio em que Morais apresenta suas impressões sobre a ilha um quarto de século depois da primeira viagem.

Reedição com caderno de fotos e prefácio em que Morais apresenta suas impressões sobre a ilha um quarto de século depois da primeira viagem.

Lançada em 1976, esta reportagem sobre Cuba tornou-se um dos maiores sucessos editoriais brasileiros e se converteu num ícone da esquerda brasileira nos anos 70. A ilha teve trinta edições esgotadas, passou mais de sessenta semanas nas listas de mais vendidos e foi traduzido na Europa, Estados Unidos e América Latina. Polêmico, o livro foi acusado de fazer a apologia da Revolução Cubana e chegou a ser apreendido pela polícia em dois estados. Naquela época o isolamento de Cuba, para os brasileiros, era total. Com o golpe militar de 1964, o Brasil rompera relações com o regime de Fidel Castro, repetindo o que já fizera quase toda a América Latina. Os passaportes brasileiros passaram a ostentar a advertência: "Não é válido para Cuba". Foi nessa atmosfera típica da Guerra Fria que Morais desembarcou em Cuba, onde passou três meses colhendo dados para uma reportagem que se tornaria histórica.

Sobre o autor