Home | Livros | Companhia das Letras | AQUELE RAPAZ
CLIQUE PARA AMPLIAR

AQUELE RAPAZ

Jean-Claude Bernardet

R$ 49,90

/ À vista

Apresentação

"Ficção autobiográfica" que reconstitui a educação afetiva de um menino. O narrador relembra momentos cruciais da infância e da juventude - divididas entre França e Brasil - em que colégio, família, a Segunda Guerra, arte e sexualidade aparecem como experiências marcantes e, às vezes, traumáticas. Reedição acrescida de posfácio de Roberto Schwarz.

Frequentemente comprados juntos

Companhia das Letras

Aquele rapaz

Jean-Claude Bernardet

R$ 49,90

Companhia das Letras

Campo Santo

W. G. Sebald

R$ 72,90

Companhia das Letras

Aberto está o inferno

Antonio Carlos Viana

R$ 54,90

Preço total de

R$ 177,70

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Companhia das Letras

Caminhos de Kiarostami

Jean-Claude Bernardet

R$ 62,90

Companhia das Letras

Cineastas e imagens do povo

Jean-Claude Bernardet

R$ 64,90

Companhia das Letras

Brasil em tempo de cinema

Jean-Claude Bernardet

R$ 62,90

Companhia das Letras

Alguém para correr comigo

David Grossman

R$ 77,90

Indisponível

Companhia das Letras

A doença

Jean-Claude Bernardet

R$ 44,90

Indisponível

Companhia das Letras

O que eu amava

Siri Hustvedt

R$ 84,90

Indisponível

Ficha Técnica

Título original: Aquele rapaz Páginas: 96 Formato: 14.00 X 21.00 cm Peso: 0.151 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 14/10/2003
ISBN: 978-85-3590-424-6 Selo: Companhia das Letras Ilustração:

SOBRE O LIVRO

"Ficção autobiográfica" que reconstitui a educação afetiva de um menino. O narrador relembra momentos cruciais da infância e da juventude - divididas entre França e Brasil - em que colégio, família, a Segunda Guerra, arte e sexualidade aparecem como experiências marcantes e, às vezes, traumáticas. Reedição acrescida de posfácio de Roberto Schwarz.

A narrativa de Jean-Claude Bernardet concentra-se nos momentos decisivos da infância e da juventude de um rapaz. O protagonista examina e reconstrói a própria história num jogo de confissões e silêncios, oscilando entre se entregar e se preservar.
Narrada em primeira pessoa, a história evolui com simplicidade, sem grande tensão ou preciosismo estilístico, como se o narrador se pusesse a relembrar a infância e a juventude de um só fôlego, deixando a memória aflorar livremente. Aos poucos, as artimanhas do texto - como a ironia sutil e as imagens poderosas - ganham evidência.
O protagonista vive dividido entre a mãe e a madrasta, entre duas culturas, entre dois países. O texto procura rever os lances principais da educação afetiva do menino que, desde cedo, debatia-se contra condutas familiares e normas sociais.
Criança, atenta ao desajuste de sua personalidade, o narrador procura compartilhar a própria dor com o melhor amigo, com a professora de latim e com os pais. Simultaneamente, esconde de todos a solidão e a sexualidade ambígua. Aos poucos, o deslocamento, a revolta e o inconformismo terminam por definir seu conflito com o mundo.
O ciclo se completa quando o protagonista, livre das imposições do pai e da madrasta, adquire os meios de reconciliar-se com as pessoas que na infância o haviam educado e atormentado. A companhia do pai, especialmente, remedia o desamparo de ambos.
O belo desenlace do livro expande as ressonâncias da identidade do rapaz, resultando o texto numa "ficção autobiográfica" libertadora e vigorosa.

Sobre o autor