Home | Livros | Companhia das Letras | CAMINHOS DE KIAROSTAMI
CLIQUE PARA AMPLIAR

CAMINHOS DE KIAROSTAMI

Jean-Claude Bernardet

R$ 62,90

/ À vista

Apresentação

O ensaísta e crítico de cinema Jean-Claude Bernardet, conhecido por livros como Brasil em tempo de cinema e Cineastas e imagens do povo, publica pela primeira vez um ensaio sobre um diretor não brasileiro. Em Caminhos de Kiarostami, Bernardet investiga a obra de um dos maiores expoentes do cinema contemporâneo.

Frequentemente comprados juntos

Companhia das Letras

Caminhos de Kiarostami

Jean-Claude Bernardet

R$ 62,90

Companhia das Letras

Brasil em tempo de cinema

Jean-Claude Bernardet

R$ 62,90

Companhia das Letras

O cinema no século

Paulo Emílio Sales Gomes

R$ 77,90

Preço total de

R$ 203,70

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Companhia das Letras

Brasil em tempo de cinema

Jean-Claude Bernardet

R$ 62,90

Companhia das Letras

Cineastas e imagens do povo

Jean-Claude Bernardet

R$ 64,90

Companhia das Letras

Diário do hospício & O cemitério dos vivos

Lima Barreto

R$ 67,90

Quadrinhos na Cia

Sapiens (Edição em quadrinhos): Os pilares da civilização

Yuval Noah Harari

R$ 66,32

Companhia das Letras

O sagrado selvagem

Roger Bastide

R$ 54,90

Indisponível

Ficha Técnica

Título original: Caminhos de kiarostami Páginas: 168 Formato: 14.00 X 21.00 cm Peso: 0.243 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 18/10/2004
ISBN: 978-85-3590-571-7 Selo: Companhia das Letras Ilustração:

SOBRE O LIVRO

O ensaísta e crítico de cinema Jean-Claude Bernardet, conhecido por livros como Brasil em tempo de cinema e Cineastas e imagens do povo, publica pela primeira vez um ensaio sobre um diretor não brasileiro. Em Caminhos de Kiarostami, Bernardet investiga a obra de um dos maiores expoentes do cinema contemporâneo.

Caminhos de Kiarostami analisa as características estilísticas da obra do cineasta iraniano, um dos expoentes da cinematografia contemporânea. Baseando-se em inúmeros depoimentos do diretor e em filmes como Vida e nada mais, Close up, O gosto da cereja e Dez, Jean-Claude Bernardet reflete sobre o cinema de Abbas Kiarostami, com sua linguagem decididamente não narrativa e suas ficções com jeito de documentário. Mas a questão analisada não é a relação entre ficção e documentário, e sim o princípio da incerteza que rege a obra do cineasta: em decorrência desse recurso autoral, o espectador nunca sabe exatamente a que está assistindo.

Sobre o autor